Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Filhos de piteu

Quinta-feira, 06.12.12

“ Não compreendo para que é preciso caluniar. Se se quer prejudicar alguém, a única coisa a fazer é dizer alguma verdade  acerca da pessoa “ F. Nietzche  

A vida é como é mas frequentemente não é como os princípios da Ética recomendariam. Se a Ética poderá ser, eventualmente, menos importante nalguns domínios da vida, não o é noutros. Refiro-me à profissão.

Por exemplo, ser-se médico, engenheiro, advogado ou funcionário público exige uma escrupulosa obediência à Ética. Não referi a política porque entendo que não é ou não deveria ser uma profissão, mas nela a observância dos mais elementares princípios da Ética, que resultam de carácter e de educação, são essenciais para a defesa do interesse público, o que, em geral, não se observa nos dias de hoje.

Um bom profissional sem ética é (como a ignorância) mais perigoso para a sociedade do que um malfeitor portador de uma metralhadora.

No entanto, não o ignoremos, há profissionais que são eticamente sólidos que nem uma rocha, nos bons e nos maus momentos que na vida atravessam, mas que são infelizmente poucos.

Grande parte deles zarpa da boa conduta, talvez incomodados pelas regras que esta impõe às suas conveniências pessoais, nomeadamente financeiras ou de carreira. Os que tomam aquele barco estão no limiar da conduta criminosa e, quando políticos, além de constituírem uma vergonha nacional, mudam de partido ou neles ficando (quando lhes é permitido) mudam de opinião com ligeireza e admirável à-vontade.

É comportamento que considero próprio das pessoas sem carácter porque há convicções que se devem seguir com a alma e que se devem defender intransigentemente. Na vida deve fazer-se o que é justo e digno e não o que é agradável, a nós ou aos outros. Doa a quem doer.

Lembra-me Sócrates e os seus acusadores e juízes “... muda, não persistas mais nas tuas filosofias ou morrerás…”. Depois, um natural do demo de Piteu (um tal Meleto) apresentou ao arconte-rei uma acusação jurada na qual era pedida a pena de morte, porque Sócrates não acreditava nos deuses em que acreditava a cidade e corrompia com os seus ensinamentos a juventude.              

Há criaturas que não respeitam o caminho da Ética e porque não acreditam nos deuses desta espalham a mentira com descaramento, sem qualquer vergonha.

Esses filhos de piteu de hoje ainda têm ainda a presunção de serem juízes dos actos dos outros e o falar verdade passou a ser, por causa deles, uma perigosa ou temerária audácia o que nunca, fossem quais fossem as circunstâncias, deveria ser. Aquelas criaturas que infelizmente abundam em particular na política, são umas autênticas merdas, uns filhos de Piteu do nosso tempo embora sejam consideradas respeitadas pessoas.

Na política deveria imperar a verdade, a honestidade e a competência. Nunca deveria ser de outro modo e um verdadeiro homem de Estado (incluindo os designados nos media por “senadores") nunca deveria fazer “concessões” naquilo que é justo, ainda que tivesse de sofrer o ostracismo ou a morte política.

Mas nada muda neste regime tão cheio de “adversários” políticos que exprimem “consideração pessoal” e “apreciação intelectual” mútuas, comovendo profundamente quem os houve em mesas redondas e quadradas.

Esses amigos, confrades ou irmãos sabem, no entanto, dizer mal dos “do outro lado” mas apenas no segredo do círculo dos seus “ninhos” (o que, diga-se de passagem, não se compreende uma vez que “para se prejudicar alguém basta apenas dizer algumas verdades“, as quais quanto mais públicas melhor).

Mas deste modo estão bem na vida, graças a Deus e aos cidadãos, reafirmando, com desenvoltura e desplante, os seus direitos e os deveres dos outros, e os valores da seriedade e do altruísmo.

Escutando-os sofre-se uma estranha sensação que é mistura de ofensa, revolta e, por vezes, de resignação.

Atenção, andam por aí muitos filhos de piteu.

                                                                

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por alea às 09:40

Não asguento

Sexta-feira, 02.11.12

As universidades de verão

O verão acabou e as suas universidades também.

Já foi há algum tempo, mas certas “lições” nelas proferidas “aborreceram-me” pela imbecilidade demonstrada por alguns dos “professores” e na altura, confesso, não asguentei.

Tive vontade de dar bengaladas, de rasgar jornais, de martelar televisões mesmo as de alta tecnologia e com “pivotes” lindas.

Sim, não asguentei.

Estou duvidoso que este neologismo de maravilhoso som não tenha sido contemplado no também maravilhoso acordo ortográfico (o qual na televisão com serviço público – assunto muito actual – é caracterizado com a frase “como se fala em bom português”; o outro aparentemente era mau português).

Mas, adiante.

Como é bom estar a par das universidades de verão do PSD e do PS.

Universidades de “líderes” (com ou sem assento agudo?) como em Angola.

Como é reconfortante e animador ouvir Paulas, Rangeles e Seguros orientar os “chefes” de amanhã cuja “profissão” será a política, a gestão da coisa pública e, sobretudo, da coisa deles.

É simplesmente lindo. 

E quem paga estes imbecis tempos de antena quem é, quem é?

As Paulas (inesperadas defensoras da iniciativa pública e dos seus indispensáveis funcionários, os quais são muitos diz ela)? Os Rangeles (que acenam com uma guerra europeia, e aqui os ignorantes devemos ser nós)? Os Seguros (até quando será o desgraçado – embora, o que não é pouco, detentor da máquina do partido - “líder” de um dos partidos do “arco do poder”)?

Não não, quem paga somos nós massa amorfa e ignorante que necessita de ensinamentos.

O Sr. Cavaco (primeira figura do Estado, responsável pelo “regular funcionamento das instituições democráticas”, chefe supremo das forças armadas e licenciado em finanças e doutorado em economia pública – e veja-se o estado em que as finanças e a economia continuam a estar neste desgraçado país - é mestre nesta matéria e na da de como acabar com a agricultura, as pescas, a pequena indústria, etecetera-e-tal, e na dos bolos-reis e na das economias dele e da D. Maria (não a do Prof. Oliveira Salazar – humilde governanta – não, a dele, a primeira dama de Portugal).

Deixei de fora a criatura Relvas e a sua extraordinária (sim, sem qualquer exagero) licenciatura, que é um insulto aos honestos licenciados.

Quanto ao Sr. Portas, licenciado “de facto” em direito pela Universidade Católica e ex-PSD (1979), quais submarinos qual quê, inocentes criaturas. Não! É tempo de rever o acordo com o PSDzinho (o rapaz de parvo não tem nada).

Estive, estou, enjoado, enojado, revoltado.

Mas que fazer?

Olhem: desabafar.

Desculpem.

                                                                                                                                                                                              

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por alea às 17:10

A corja e a cáfila

Sábado, 20.10.12
 
 

 egito01 (5) - Copy.jpg

(Corja, do malaio korchchu, que se refere apenas a um conjunto de vinte. Cáfila, conjunto de pessoas de má índole, conjunto de camelos.) 

Apetece fugir, deixar de vez esta pátria que mais ninguém sabe reconhecer, gramatical, cívica e humanamente. Para poder partir teria de meter no bornal o Marão, o Douro, o Mondego, a luz de Coimbra, a biblioteca e as vogais da língua. (Miguel Torga).

“É fartar vilanagem”, gritou António Vaz de Almada, conde de Avranches apoiante do infante regente D. Pedro, na altura da sua morte na batalha de Alfarrobeira em Maio de 1449.

 “É fartar vilanagem” deveriam exclamar diariamente os cidadãos deste desgraçado país.

A incompetência, a corrupção, a mentira, o nepotismo, saem do esgoto e inundam-nos, com a complacência da corja.

Nenhuma organização política com um horizonte de poder, mesmo que ténue, escapa.

É vê-los justificar o injustificável, desdizer o que foi prometido, explicar a nós, pobres ignorantes, que está certo o que é ou era errado, tudo com a sobranceria própria dos que sendo fortes são imbecis para com os que tendo razão são fracos e, sobretudo, impotentes.

É lê-los nos jornais e livros, ouvi-los nas rádios e vê-los nas televisões. Vê-los, sem que tenham a vergonha de tapar a cara, ali com o desplante que confere a certeza da impunidade.

Por mim, rasgo, desligo, fecho e se não fosse coisa que desse trabalho e incómodos, procurava essa canalha e dava-lhe umas bengaladas. Umas bengaladas, como os camponeses costumam dar às bestas.

Mas sou apenas um dos muitos portugueses sujeitos à prepotência da corja.

Da corja que é acompanhada e bajulada por uma cáfila própria dela que, em geral, protesta e barafusta quando os seus sagrados “direitos adquiridos” são ameaçados ou beliscados.

Direitos? Muito claros. Deveres? O que é isso?

E a cáfila desinforma com uma arrepiante iliteracia, deseduca pela ignorância e pelo exemplo, legisla no completo desconhecimento da realidade e com a preocupação de deixar marca histórica, trata as contas do Estado com precisão imbecil, erra cálculos e construções, engana o consumidor, atende por favor os contribuintes.

Tudo impunemente ou a esclarecer oportunamente por uma comissão de inquérito.

cheiro_mentira.jpg        

Há excepções? Claro que sim de acordo com as leis da natureza.

Segundo uma delas, das mais importantes, a desorganização de um sistema isolado, medida por uma denominada entropia, a qual, aumentando por definição ilimitadamente, traduz a morte do sistema a partir de um determinado valor.

Esta lei aplica-se ao dia-a-dia: em termos simples, quando, pelo abandono, a entropia de uma coisa aumenta descontroladamente, o resultado é a destruição dessa coisa.

Um governo incompetente, uma educação descuidada, são como o sol num pedaço de gelo ou como o abandono de uma casa ou de um campo ou como a ignorância de uma doença.

É essa destruição que ocorre hoje em dia na sociedade portuguesa.

O espectáculo não é pequeno.

Assiste-se à destruição da honestidade, da responsabilidade, da autoridade, do respeito, do trabalho, da competência, da justiça, da cortesia, da dedicação, da noção do dever, do esforço, da gratidão, do brio, enfim, dos valores. 

Será que os que receberam em herança princípios e valores os transmitem e os preservam do aniquilamento ou de vergonhosas alterações? Que pais, professores, chefes, governantes, respondam honestamente.

A resposta é: não.

Portugal está mal.

Portugal, “país de povo indisciplinado e governos incompetentes” e que “tem um povo que não se governa e não se deixa governar”, está mal.

É a primeira vez? Não, Portugal atravessou momentos difíceis, de natureza política ou económica, e conseguiu sempre ultrapassá-los. Com Afonso Henriques, Afonso III, João I, João II, João IV, João VI, Salazar, o MFA.

O povo, ou quem por ele agiu, resolveu sempre, melhor ou pior, os males do país.

E hoje? Hoje, o dia-a-dia oferece-nos exemplos de aldrabice, corrupção, nepotismo, imbecilidade ou bacoca cultura, irresponsabilidade, ignorância, incompetência, mentira, prepotência, vaidade.

Tudo em adoração aos bezerros que não são só de hoje: o dinheiro, o poder.

 

                                               17944266-a-lupa-que-paira-sobre-várias-palavras-c

Os famosos “ Três Dês “ dos cravos, passados quase 40 anos, não foram alcançados.

Democracia? Qual? A “alargada”, a “participada” , a “social “, a “avançada”, a “etecetera -e-tal“? Quando algo necessita de qualificativo é porque por si só está no meio da bruma da interrogação. É como ela está.

Desenvolvimento? Os peritos afirmam, com todas as letras e números, que Portugal está longe da situação e do desempenho dos seus parceiros europeus.

Descolonização? Feita. Total e rápida. Três guerras civis que duraram mais de 20 anos, mortos e estropiados em quantidade própria do horror, infra-estruturas vitais destruídas, dezenas de anos de retrocesso, uma minoria no poder que se banha na riqueza ao lado de populações na miséria.

Os odiosos “Três Efes“, qualificados nos ditos tempos da obscuridade como “o ópio do povo”, como vão eles? Prósperos, melhores do que nunca.

Fátima, que se respeita por ser crença, é hoje uma Sodoma comercial com ostensiva construção, incentivada pelos poderes do estado democrático, que nela vê fonte de receita e instrumento de promoção não só turística mas, sobretudo, de sinalização nacional: atenção, existimos, estamos aqui, nós a fidelíssima, nós a exemplar nação multi-religiosa, multicultural, multi etecetera - e - tal.

O fado (recentemente promovido a património da Humanidade) tem o seu expoente máximo (que tinha que se ouvir envergonhadamente e nunca aplaudir na presença de “antifascistas“) condecorado e a sua sepultura transladada para o Panteão Nacional (o nosso rei Sancho II continua perdido em Espanha, julga-se que na catedral de Toledo).

O futebol é exemplo de uma obscena promiscuidade entre os seus dirigentes e os responsáveis do Estado, desde juízes até presidentes de autarquias, passando por altos responsáveis partidários. Os seus agentes, em geral, não têm, princípios e são exemplos de grosseria e de ausência total dos mais elementares princípios da ética, disputam, com naturalidade e de igual para igual, o território próprio de ministros e passeiam-se com a altivez e o à vontade de presidentes.

A impunidade é total e o futebol também ele é condecorado com o fundamento de divulgar no mundo a imagem de Portugal e de o promover a “potência” europeia.

Fátima, Fado e Futebol eram no tempo da ditadura o “ópio do povo E hoje o que são? Bálsamos democráticos? Patético.

A corja e a sua cáfila destroem diariamente a estrutura desta nossa sociedade que foi construída com luta e sangue. A velha árvore de ramos rudes mas ordenados pela hierarquia da idade, competência e responsabilidade foi cortada com selvagem e alegre imbecilidade pela vilanagem e é hoje uma coisa de amalgamadas e “democráticas” excrescências. Nelas se sentam as cáfilas velha e nova, onde mais lhes convém, onde bem lhes apetece, com a benevolente aquiescência da corja mandante.

Pais e filhos? Professores e alunos? Subordinados e chefes? Para quê distinções? Tudo iguais, tudo “amigos”, tudo ao molhe.

Na religião, o Mal é o Diabo. Neste pobre Portugal, é a Corja e o seu séquito, a Cáfila.

                                            mentira_644587.jpg

 

 

 

 

                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por alea às 20:20






links

Blog

  • www.metralhada.blogspot.com


comentários recentes

  • Eurico Ribeiro

    Uma remontagem das revoluções muito tradicionais e...

  • Tudo Mesmo

    Cá para mim, eles nunca contaram ficar muito tempo...

  • Tudo Mesmo

    À semelhança da maioria dos divórcios: um fica com...

  • alea

    100% de acordo.

  • alea

    Percebo a sua posição e concordo com a tese se for...

  • O ultimo fecha a porta

    Falei sobre isso ontem e tb refleti sobre o que is...

  • Marta Elle

    É estranho eles serem assim tão tumultuosos nas ma...

  • Alexandre Júlio

    O Prof. José Hermano Saraiva contou a história do ...

  • José Valdez

    https://casarealdebraganca.wixsite.com/reifazdecon...

  • Tácia do Ó

    Este “Acordo” é um verdadeiro atentado à língua e ...