Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Na nuvem do acaso

Quase nada de um pouco de tudo.


Quinta-feira, 30.11.17

Uma ova!

Palavra dada, palavra honrada?

Uma ova!

naom_59d4ff8fdee3a - Copy.jpg

Estive atento ao que se passou no Parlamento (para lamento) e aos comentários que se seguiram nos vários programas políticos aqui da praça. Tratava-se do acordo entre membros do governo e o BE sobre as taxação das energias renováveis.

Não houve um único desmentido à vergonhosa cambalhota do Governo quando num dia votou favoravelmente a proposta do Bloco e dois dias depois voltou atrás e votou contra (por imposição do Costa, dizem).

Era vê-los, os dignos representantes do povo de cabeça baixa, mudos e quedos. Estranhíssimo numa assembleia onde os insultos e as torpes insinuações não faltam. Uma vergonha só ultrapassada pelas cenas de pancadaria que ocorrem de vez em quando em parlamentos de outros países e que gostosamente a nossa televisão retransmite.

O líder parlamentar do PS (“his master voice”) bem clamou pela independência de acção do seu partido, a qual, segundo ele, não é condicionada por nenhuma empresa, por nenhum partido…

O primeiro ministro com a lata que o caracteriza tocou exaltado uma melodia semelhante e reafirmou com desfaçatez que “palavra dada, palavra honrada”.

Não há vergonha neste país.

Já nas cortes de Évora de 1391 ou de 1408 (?), o representante do povo dizia :

“…não sabem que cousa é honra, nem quando deve a honra preceder o proveito, nem podem distinguir entre as virtudes morais. Somente (, como homens atónitos,) com tumultos e vozes vãs, dão clamores de ora escolherem e ora enjeitarem, e segundo as vozes andam, assim andam…”

Nem mais, há 600 anos era a voz do povo.

Hoje, à falta de vergonha e à desfaçatez só a estalada.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por alea às 12:52

Segunda-feira, 01.12.14

A cereja no bolo

 
 

cupcake-526424_640.JPG

“Só se é culpado após trânsito em julgado” é uma exclamação, uma justificação, um esclarecimento de olho franzido. Pois.
Mas é um facto aplicado à justiça e só a ela, não ao cidadão (cuja liberdade de expressão a Constituição assegura), não aos jornais, à radio, às televisões que têm o direito de informar e se a informação for falsa ou caluniosa, existe o direito de resposta e o recurso aos tribunais.
Vem isto a propósito do “Processo Marquês”.
Desde quando é que o cidadão não pode ter opinião? A criatura é um malandro que já devia ter sido engavetado há muito tempo ou um desgraçado inocente crucificado na praça pública? Não sei. Sei que cada um, seja a título individual seja por recurso aos meios de comunicação social, tem o direito de exprimir opinião. Este direito é tanto mais legítimo quanto maior tenha sido a oposição à censura, a um regime autoritário. Não é o que se verifica.
De facto, o partido da “alternância” hoje na oposição, o partido dos “cravos” hoje tão murchos, o partido da liberdade hoje após o seu congresso tão castigador dos que não seguem as orientações do seu novo e esclarecido líder Costa, esse partido da ”alternância” critica, cerceia, admoesta os opositores do seu ex-líder Sócrates.
“À justiça o que é da justiça e à política o que é da política” é uma magnífica frase desde que não hipócrita e coerente e coerência é o que mais falta.
Se não, porque é que são vedados ou criticados pelos “costistas” juízos puramente políticos?
Se não, porque é que estes, sem quaisquer bases que não seja a admiração pelo “melhor” líder de sempre da história do PS, juram uma inocência que só à justiça compete?
Se não, porque ostracizam os apoiantes de António José Seguro que à governação de Sócrates colocaram reservas e promovem os que o elogiam ou hoje lhe pagam favores?
E tudo isto, imagine-se, com a despudorada afirmação que o partido está mais unido do que nunca e que a reconciliação foi assegurada pela eleição dos órgãos do partido, nomeadamente o Secretariado e a Comissão Política.
Não? E o discurso do novo Secretário-Geral sublinhando “o choque” sofrido e sem qualquer hesitação em assumir o “assombramento”?
Não? E o banimento de Francisco Assis de quaisquer órgãos do partido?
Não? E a composição dos recém-eleitos órgãos?
Fique-se por aqui; o futuro não se afigura risonho.
Tudo indica que será um “socratismo” com novas vestimentas. Serão as da competência, da verdade, da defesa do interesse público, da realidade económica e financeira do país, enfim, da seriedade?
Ver-se-á.

antónio costa.jpg

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por alea às 21:43


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Janeiro 2018

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031


Links

Blog

  • www.metralhada.blogspot.com