Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Os merdosos

Terça-feira, 16.06.20

A selvagem morte do cidadão norte americano George Floyd em Miniapolis chocou o mundo excepto nazis, KukluxKlans e ignorantes.

O grupo dos ignorantes tem atributos não identificáveis para além da ignorância: um grande matemático ou um excelente médico, por exemplo, podem ser ignorantes noutros domínios.

O mundo ficou chocado e uma onda de protesto, por vezes violento, espalhou-se como um rastilho pela muito “culta” Europa.

Escrevo “culta” em contraposição com o carimbo “ignorante” que fácil, justificada e repetidamente se põe na testa do americano médio. Os E.U.A têm as melhores universidades, são pioneiros e os primeiros nos vários horizontes técnicos (desde a inteligência artificial à biotecnologia) mas, de facto, ignoram, na sua generalidade, com grande facilidade e naturalidade, a geografia e a história.

O rastilho da revolta europeia copiou o americano não só nas frases de ordem mas também nas pinturas e na danificação de monumentos, em particular estátuas. Lembra-me a destruição dos Budas no Afeganistão pelo governo fundamentalista Talibã.

                 O grande buda.jpg              

Os Budas de Bamiyan localizavam-se no Vale do Bamiyan (Afeganistão), local religioso Budista do século II até a época das conquistas árabes, no século VII.

Muitos dos monges embelezavam as suas cavernas com estatuária religiosa. Os maiores exemplares do mundo de Budas eram dois, um com 55m e outro com 38m de altura.

Em Março de 2001, o governo Talibã mandou destruir aquelas gigantescas estátuas. Foram colocados explosivos ao redor das estátuas detonados aos gritos de "Allah Akbar".

Para destruir completamente os restantes budas, faziam-se duas ou três explosões por dia tendo o processo demorado 25 dias. No fim, comemorou-se aquela total e selvagem destruição de um património da humanidade com tiros para o ar e o sacrifício de nove vacas. Diz tudo.

 Resultado.jpg  Agora, na ressaca do assassínio de George Floyd, Thomas Jefferson (1743-1826), considerado um dos maiores presidentes dos EUA, não escapou à raiva por ser considerado um defensor do esclavagismo e era-o. A sua estátua foi derrubada na cidade de Portland (Oregon) e a presidente do Congresso (democrata) declarou recentemente que a existente no Capitólio seria retirada. Nunca me admirei com a nomeação e posterior eleição do imbecil Trump (republicano).

Também as estátuas de outras figuras notáveis da Confederação foram derrubadas.

E, também, Baden Powell fundador do escotismo não escapou e lá se foi outra estátua. Porquê? Muito provavelmente porque como oficial do exército britânico e durante a guerra contra os zulus na África do Sul mandou executar o chefe Uwini responsável pelo massacre de 300 colonos britânicos. Quantos fuzilamentos foram realizados na Guerra Civil americana e nas guerras europeias?

A questão é que se ignora com demasiada frequência que tempos são tempos e que cada tempo tem a sua ética, os seus princípios e que estes não podem ser analisados à luz dos do presente.

                   Thomas Jefferson.png         

                                              Lê-se “Slave Owner”.

O mesmo também se aplica ao padre António Vieira (1608-1697), um dos maiores se não o maior orador português, missionário e, sublinhe-se, grande defensor das populações indígenas do Brasil combatendo incansavelmente a sua escravização. No entanto, a sua estátua em Lisboa foi vandalizada com o escrito “Descolonização” a vermelho.

Vandalismo.png

E o que teve de anacrónico a nossa colonização com mais de 600 anos tomando como referência a colonização da Madeira em 1418? E de que sofre a população de S. Tomé e Príncipe para lá levada das costas africanas por nós? Da sua independência? E a Índia portuguesa com a sua Goa tão amada pelo grande Afonso de Albuquerque que para lá queria deslocar a capital do Império? E o Brasil? E a Língua Portuguesa espalhada pelos cantos do Mundo? Têm deles vergonha os vândalos cretinos?

Pobre de espírito, o pintor. Imbecil como lhe chamou o Marcelo? Talvez também, mas eu creio que foi um pobre executante às ordens de um mandante politicamente correcto e cobardolas merdoso porque medroso de ser descoberto. Suspeito que sim.

Inexplicavelmente escaparam à dinamite dos ignorantes e fundamentalistas cá do sítio a Torre de Belém, o Padrão dos Descobrimentos e o Mosteiro dos Jerónimos. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Alea às 21:23


Comentar:

Mais

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.