Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Os "amarelentos" em Portugal.

Segunda-feira, 17.12.18

Amarentos.jpg

O actual sistema politico tem-se revelado como a maior barreira à resolução dos problemas que afligem os cidadãos. Na justiça, na saúde, na economia, na educação, para só citar quatro importantes sectores.

Especialistas em ciência política, comentadores e analistas políticos parecem insinuar que os problemas que diariamente afectam o cidadão são inevitáveis por resultarem do enfraquecimento das instituições ou da incoerência partidária, para não falar da corrupção e dos interesses instalados.

Já basta.png                       

No entanto, a política é hoje em dia uma indústria com os objectivos e os interesses de qualquer outra indústria, nomeadamente a concorrência e a procura de benefícios próprios. A política deixou de ser organizada para a defesa do interesse público e tende a beneficiar interesses privados que passaram a ser seus aliados e temíveis inimigos.

Pense-se nos resultados das privatizações e na promiscuidade entre as grandes empresas privadas e os cargos do Estado, a que nem sequer escapam membros do governo e deputados.

corrupção.jpg

Os partidos, muito em particular o PS e o PSD, concorrem na divisão do eleitorado e na satisfação de interesses alheios, com base numa ideologia por vezes incoerente e em promessas irrealistas que não tencionam cumprir.

Ano após ano os interesses do cidadão saem frustrados e os principais actores do sistema político mantêm-se, na prática, em lugares que o próprio sistema fiscaliza ou passam a desempenhar altos cargos em empresas que, inclusivamente, tutelaram. Não há vergonha.

Os cidadãos-votantes esperam soluções para os problemas que os afligem. Soluções definidas pelos agentes do sistema político que eles próprios escolheram; soluções viradas para a realidade e não para uma qualquer ideologia; soluções que resultem da avaliação e de um equilíbrio de posições diferentes e eventualmente conflituantes. Tudo isto exige compromisso e concessão e embora a importância da solução possa ser politicamente óbvia ela é raramente implementada quando entra em conflito com interesses partidários ou económicos.

conflito-de-interesses -.png                     

Esta realidade não é só a de Portugal, afecta outros países europeus como, por exemplo a Itália, a Espanha, a França. O que fazer? Protestar violentamente e à beira de uma revolução política? Talvez. É o caminho que os coletes amarelos parece terem escolhido em França mau grado a constante ameaça do terrorismo. Após Estrasburgo ficou quase tudo na mesma nas ruas de Paris e de outras grandes cidades francesas.

E por cá? Somos um povo de brandos costumes, dizem. Não foi o que se verificou após a invasão francesa com a fratricida luta entre D. Miguel I e D. Pedro IV e a guerra civil que a acompanhou. O início do século XX, em particular o período da revolução republicana, ficou marcado por assassinatos políticos e no passado dia 14 de Dezembro comemorou-se o centenário do assassinato do “Presidente-Rei” Sidónio Pais. A revolução do 25 de Abril teve episódios violentos e esteve-se à beira de uma guerra civil. Onde estão no passado recente os “brandos costumes”?

Maria da Fonte -.jpg

Estão marcadas (publicitadas nas redes sociais, provavelmente pela extrema direita) para o próximo dia 21 (data muito conveniente) manifestações de “coletes amarelos” portugueses, em relação às quais os partidos da esquerda (BE e PCP) se demarcaram imediatamente, e 20.000 polícias já foram colocados em estado de alerta com folgas e créditos horários suspensos.

O movimento, que se estima ir afectar 17 cidades, ameaça com o corte dos acessos à Ponte 25 de Abril, acusa "os sucessivos governos incompetentes" de terem destruído os sectores primário e secundário e apresenta um extenso “caderno reivindicativo” com exigências de implementação “imediata”.

Delas, destacam-se o fim dos impostos sobre os produtos petrolíferos, o corte para metade do IVA sobre os combustíveis e gás natural, a redução das taxas sobre a electricidade, a concessão de incentivos para as micro e pequenas empresas com a correspondente taxação das grandes empresas, o aumento do salário mínimo nacional, o aumento do subsídio de desemprego, o fim das subvenções vitalícias para políticos, o combate contra a corrupção no Governo, na Administração Pública, nos serviços públicos e nos sectores empresarial e bancário, a redução do número de deputados na Assembleia da República.

Quem é que não concorda?

A mancha de insatisfação alastrou-se a Portugal. Será que tem significado? Será que terá consequências? Ver-se-á, mas que o sistema político não está ao serviço dos cidadãos não está.

Procura-se.jpg

(Procura-se...ético, honesto e que coloque o interesse público acima dos seus próprios interesses.)

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por alea às 14:29






links

Blog

  • www.metralhada.blogspot.com


comentários recentes

  • Anónimo

    Almada Negreiros sabia-o bem.Dos não presos há um ...

  • Eurico Ribeiro

    Uma remontagem das revoluções muito tradicionais e...

  • Tudo Mesmo

    Cá para mim, eles nunca contaram ficar muito tempo...

  • Tudo Mesmo

    À semelhança da maioria dos divórcios: um fica com...

  • alea

    100% de acordo.

  • alea

    Percebo a sua posição e concordo com a tese se for...

  • O ultimo fecha a porta

    Falei sobre isso ontem e tb refleti sobre o que is...

  • Marta Elle

    É estranho eles serem assim tão tumultuosos nas ma...

  • Alexandre Júlio

    O Prof. José Hermano Saraiva contou a história do ...

  • José Valdez

    https://casarealdebraganca.wixsite.com/reifazdecon...