Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



O populismo na política.

Quinta-feira, 22.08.19

The guardian.jpg

Os movimentos populistas, que começam a proliferar mundo fora, são conotados pelos bem-pensantes jornalistas e políticos com a extrema direita (o que é incorrecto, como a História comprova, porque estão não só do lado direito do espectro político mas também no da esquerda) e apontados como perigosas associações.

Como o nome indica, apelam ao voto do povo, do cidadão comum descontente com o comportamento das elites políticas e revoltados pela sua indiferença quanto aos seus anseios. Sublinham que, tal como o povo, não fazem parte das élites corruptas do poder.

A existência dos coletes amarelos em França e a sua violenta oposição a Macron e à sua política é um bom exemplo do que é um movimento populista inorgânico.

No entanto, na Europa dos anos 60 já esses movimentos estavam organizados em partidos políticos e, no início do século, criou-se uma bola de neve anti-situação que conduziu alguns daqueles partidos ao sucesso eleitoral: na Grécia o Syrisa obteve 36 % dos votos em sucessivas eleições, o Ukip empurrou a Grã Bretanha para o Brexit e, em França, Marie Le Pen concorreu às eleições presidenciais obtendo 33% dos votos.

O apoio popular aos partidos populistas na Europa triplicou nestas últimas duas décadas, foi catalisado pelo colapso financeiro de 2008 e pela crise dos refugiados de 2015 e alguns dos desenvolvimentos políticos recentes mais significativos, como o referendo do Brexit em 2016 e a eleição de Donald Trump em novembro do mesmo ano, não podem ser compreendidos sem levar em conta a ascensão do populismo.

E, assim, eles aí estão com maior ou menor poder, com maior ou menor protagonismo político e amedrontando ou preocupando os cidadãos defensores do status-quo partidário.

A sua representação era em 1998, altura em que estes partidos eram apenas "um fenómeno das margens políticas", de 7% em todo o continente europeu, mas no início do século proliferaram situando-se hoje nos 25%.

Populismo na Europa.jpg

Na Europa, esses partidos assumem actualmente particular relevância em Espanha, em França, na Polónia, na Hungria, na Bulgária e em Itália, havendo três países imunes à penetração das forças populistas: Letónia, Estónia e Portugal.

O fenómeno não é exclusivamente europeu. Foram eleitos “populistas” para cargos políticos em 5 das 7 maiores democracias, como a Índia, os EUA, o Brasil, o México, as Filipinas.

Os modos de governação são imutáveis? Leia-se a História: monarquia, ditadura, democracia, autocracia, houve de tudo e tudo teve na sua altura o apoio dos povos.

A democracia é a melhor forma de governo ou, de acordo com Winston Churchill, é a pior com excepção de todas as outras?

Tudo é mudança e os partidos designados como populistas são uma delas e respondem a escondidos desejos de eleitores muitos dos quais se envergonham ou têm medo de os confessar.

Para informação mais desenvolvida e detalhada consulte-se “The Guardian” de 20 Novembro 2018:

https://www.theguardian.com/world/ng-interactive/2018/nov/20/revealed-one-in-four-europeans-vote-populist

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Alea às 20:11