Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



O Coronavirus e o 25 de Abril.

Quarta-feira, 22.04.20

O exemplo vem de cima, ou de baixo, depende.

Se o exemplo não for seguido pelos de baixo, estes levam na orelhas; se não for seguido pelos de cima os de baixo são umas bestas e como tais não podem dar exemplos. Acontece que na nossa actual situação é precisamente o contrário: quem devia levar nas orelhas são as bestas de cima e os de baixo têm dado exemplos que deviam envergonhar os de cima.

Vejamos: Dada a naturesa perigosíssima deste coronavirus, os contactos pessoais são de evitar mas o nosso Primeiro (como na tropa, no norte de Moçambique, eu tratava diariamente o Primeiro Sargento da minha Companhia de Engenharia) aperta mãos e dá beijos aos seus colaboradores. Depois, rindo, desinfecta as mãos (e a boca?) com gel para registo das TVs.

O Primeiro do nosso Primeiro, ignorou nos primeiros tempos a proibição de “selfies-beijocas”, depois imitou o Papa e, no âmbito do seu ridículo auto isolamento (próprio de uma persongem hipocondríaca) falou para os jornalistas da sua varanda em Cascais.

         Marcelo.jpg

Para enfeitar o ramalhete afirmou, em discurso solene, que o sucesso (?) se devia ao milagre de Portugal. Valha-lhe Fátima.

Mas o pior aparece agora: as comemorações do 25 de Abril. O Governo proibiu eventos públicos em recintos fechados com mais de 100 pessoas (vide o jornal “Público” de 15 de Março.) mas uma birra do Sub-Primeiro do Primeiro de seu nome Rodrigues ficou decidido (?) que as comemorações se realizariam na Assembleia da República com um número de presenças com toda a probabilidade superior a 100.

                        Ferro Rodrigues.jpg

Quem manda pode…Se fossem 100 cidadãos reunidos ao ar livre em Belém, apareceriam de imediato umas carrinhas da PSP para cuidadosa contagem numérica, identificação e, eventualmente, sanção financeira. Mas tratando-se de um evento com a ordem do Rodrigues apoiado pelo nosso Primeiro e pelo primeiro do nosso  Primeiro, tudo bem e que a Constituição e a Lei 43/90 de 10 de Agosto que garantem o direito à Petição Pública se lancem às urtigas. Nesta data a Petição tem mais de 109.000 AssinaturasPetição.jpg

Quando é que a Petição vai ser discutida e votada? Muito provavelmente depois do dia 25 de Abril ou, então, vai ser cancelada (vou ler a tal Lei)…

PS (26 de Abril): Afinal, em vez de 200 pessoas (130 deputados + 70 "outros", foi o que  eu e outros ouvimos) estiveram presentes na AR 46 deputados, cerca de 20 convidados e alguns funcionários. Menos de 100 presenças, portanto. Assim está bem. Porque é que esta questão que tanta polémica levantou não ficou resolvida em devido tempo?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Alea às 20:13