Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Bengaladas nos políticos.

Sexta-feira, 13.03.20

                              images.jpeg

Quem estudar a História de Portugal apercebe-se que o nosso povo trabalha melhor com regimes políticos nos quais a autoridade não se encontra dispersa mas centrada num líder eleito para governar, por exemplo um regime presidencialista.

Não encontro melhor exemplo na nossa história do que a antítese entre o reinado de D. Sancho II e o do seu irmão D. Afonso III.

Um, preocupado com as batalhas que se impunham, delegava a sua autoridade em terceiros e estava completamente ausente dos problemas do Estado. O outro, reinou para concentrar o Poder. Um era um esforçado guerreiro, displicente com os problemas que afectavam a sua governação (guerra civil, conflito com o Papado), o outro, seu benjamim, divorciou-se da sua 1ª mulher, a condessa de Bolonha, casou com uma castelhana (daí provêm os castelos do seu estandarte, presentes nas armas e Porugal) e acabou praticamente com a guerra civil. Sempre tive simpatia por um e alergia pelo outro, embora reconheça que um foi um fraco rei e o outro, mau irmão, uns dos melhores que Portugal teve.

Mas há outros exemplos, começando logo com D. Afonso Henriques. Afastou a influência da nobreza galega, para ser rei declarou-se subdito do Papa, alargou a Norte as fronteiras de Portugal que se perderam com o desastre de Badajoz. Depois, D. Afonso III que, pelo Tratado de Badajoz (1267), integrou na coroa portuguesa o Algarve, D. Diniz que terminou com a contestação ao poder real, e que, pelo tratado de Alcanizes (1207), confirma o Algarve como território de Portugal e define as actuais fronteiras. Portugal é, desde então o país europeu com as mais antigas fronteiras. Depois, há reis que não marcaram a história pelos seus feitos e chega-se a D. João I  iniciador da presença portuguesa no norte de África com a conquista de Ceuta e pai da ínclita geração. Salta-se quase de imediato, para o grande rei D. João II (“El hombre” segundo Isabel a Católica) seguindo-se (após D. Manuel “o venturoso” das mercearias e o louco “desejado” Sebastião) a desgraça com os castelhanos Filipes.

Restabelecida a independência, os reis são ricos mas fracos até D. José I que tem um forte 1º ministro, o Marquês de Pombal que combateu a aristocracia, eliminando toda e qualquer oposição, e cuja personalidade ainda hoje, passados mais de 250 anos, é discutida entre a repulsa e a admiração. Depois, quem? D. João VI? Mais ninguém.            

Veio a República. Em 16 anos (1910-1926) houve 7 parlamentos, 8 presidentes da República, 45 governos, 40 chefias de governo. Nela, destacou-se Afonso Costa que conseguiu, como ministro das finanças, um superavit nos orçamentos de 1913-1914 e 1914-1915. Leia-se:

https://www.infopedia.pt/$situacao-economica-dificil-da-i-republica

Mais outras personalidades? Sem dúvida Sidónio Pais e Salazar.

       Discussão.jpg     

Hoje, vive-se num regime semi-presidencialista (que só o é porque os partidos receiam a existência de um presidente poderoso), um parlamento repleto de compadres, filhos, tios e sobrinhas e com gente que nunca fez nada na vida, que nunca teve profissão que merecesse esta designação e que auferem de um belíssimo salário e de diversas benesses. Desinformam com uma arrepiante iliteracia, deseducam pela ignorância e pelo exemplo, legislam no completo desconhecimento da realidade e com a preocupação de deixar marca histórica, tratam as contas do Estado com precisão imbecil, erram cálculos e construções, enganam o consumidor, atendem por favor os contribuintes. Tudo impunemente ou a esclarecer oportunamente, por uma comissão de inquérito. Há muitos boys e girls, por vezes arrogantes, descobrindo-se, depois de saírem do cargo, que alguns sofreram da praga da corrupção.

Que fazer, então, para além de impossíveis bengaladas como os camponeses dão às bestas?

Talvez:

Descentralizar, reformar o sistema eleitoral para aumentar a contribuição dos cidadãos e eliminar o monopólio dos partidos (o sistema britânico poderia ser inspiração), adoptar um sistema presidencialista (como em França e na Alemanha mas não como na Rússia de Putin).

Três passos (haveria mais) que mudariam muito o regime político garantindo a democracia e que podem ser indispensáveis para uma efectiva implementação de reformas que são tão necessárias.

Mas são necessárias algumas bengaladas.

                 bengalada-no-ministro.jpg

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Alea às 17:55