Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Na nuvem do acaso

Quase nada de um pouco de tudo.



Segunda-feira, 28.01.19

Três importantes coitados

A semana que passou teve três personagens complexadas, duvidosas. Todas com comportamentos reveladores de deficientes personalidades.

Começa na Assembleia da República e acaba na Presidência. No meio, uma personagem que da raça portuguesa nada tem (é tempo de utilizar, num claro e inequívoco contexto, palavras há muito ostracizadas, como “raça”, “pátria”, “negro”).

No início foi a reacção de António Costa na Assembleia da República a uma pergunta, correctamente colocada, sobre a acção policial nos acontecimentos no bairro da Jamaica. O mestre negociador, primeiro-ministro do governo de Portugal, protestou injustificadamente à pergunta que lhe foi feita e fez referência à cor da sua pele: “Está a olhar para mim, deve ser pela cor da minha pele que me pergunta se condeno ou não condeno a violência” (!).

António Costa.jpg

António Costa é de ascendência indiana e, dizem, da casta brâmane, a mais elevada, reservada a sacerdotes e letrados, nascidos da cabeça de Brahma criador do universo ou descendentes dos invasores arianos que povoaram a Índia por volta de 1600 a.C., reduzindo à escravidão a população nativa. É universalmente reconhecida a superior inteligência daquela raça. Assim, não se descortina razão para a destemperada reacção do António, excepto uma explosão de escondido complexo o que é uma tristeza.

No meio aparece uma estranha personagem de seu nome Mamadou Ba. Nasceu no Senegal em 1975.

Mamadou.jpg

Muito próximo do Bloco de Esquerda é “activista” e dedica-se à luta pelos direitos humanos dos migrantes e das “minorias étnicas”. É licenciado em Língua e Cultura Portuguesa pela Universidade Cheikh Anta Diop de Dakar e titular de Curso de Tradutor pela Universidade de Lisboa.

A propósito dos incidentes no bairro da Jamaica, com distúrbios entre a polícia e população negra, declarou que “a polícia é uma bosta e não pode andar a pastar por aqui”. Linguagem reles, nada própria das funções e das habilitações da personagem. Claro que instrução (dizem que hoje há muita) é uma coisa e educação outra (que no antigamente havia). Aqui não houve educação.

Finalmente, o “mais alto magistrado da nação” (que um dia destes rebenta de vaidade como a rã da fábula), Marcelo Nuno Duarte.

Marcelo.jpg

Afirmou este sábado 26 de Janeiro no Panamá que “…se Deus me der saúde e se eu achar que sou a melhor hipótese para Portugal (tenho) uma grande vontade de me recandidatar” mas que “…a minha decisão é só em meados de 2020”. O habitual “sei que disse o que disse que não disse”.

O homem, que eu conheci pessoalmente como rapaz muito inteligente mas já na altura muito convencido e com o jogo de cintura próprio das meias verdades, está na mesma. Não é de confiança. Tem um passado controverso em particular no seu relacionamento com o salazarismo e no serviço militar que não cumpriu. Era filho do ministro do Ultramar e livrou-se dessa obrigação, a que estava sujeita toda a juventude portuguesa, sem recurso ao que era habitual: a fuga/deserção, o exílio político. Porque é que este indesmentível facto nunca foi investigado ou denunciado como o foi a “traição” de Manuel Alegre?

https://escolapt.wordpress.com/2016/01/11/marcelo-foi-a-tropa/

Esta não investigada situação já foi em tempos denunciada por quem é hoje um oficial general e que na altura era um simples “capitão de Abril”.

Três (entre muitas outras) “vergonhas”.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por alea às 13:15

Sábado, 19.01.19

Vara dentro.

Finalmente, uma vara foi enfiada.

Armando.jpg

Tadinho, um zero à esquerda e da esquerda a quem foram concedidos “canudos” e responsabilidades inconcebíveis em importantes empresas estatais. Finalmente, uma vara foi enfiada no pobre bancário que virou banqueiro.

A natureza do processo "Face Oculta" é de criminalidade económico-financeira, destacando-se os crimes de corrupção, fraude fiscal qualificada e branqueamento de capitais. Um desgaraçado, pobre, que tivesse roubado uma maçã num supermercado teria sido preso, imediatamente julgado e punido. O bancário Vara, da élite política, roubou milhares de euros e o trânsito em julgado levou onze anos. Onze.

O número de arguidos de 34 cidadãos e 2 empresas é elevado.

Todos os arguidos foram condenados, sendo que 11 foram condenados a cumprir penas de prisão efectivas.

- Início da investigação: Outubro de 2008.

- Início do julgamento: Novembro de 2011.

- Sentença de primeira instância: Setembro de 2014.

- Trânsito em julgado: Janeiro de 2019.

Daqui as seguintes conclusões:

- Diferença entre sentença e trânsito em julgado: 4 anos e 4 meses (os tribunais superiores demoraram esse mesmo período de 4 anos e 4 meses para analisar os recursos apresentados).

- Como noticiado, a maior parte dos arguidos recorreu para a Relação do Porto onde o processo esteve durante 2 anos e 7 meses.

Estes factos são, sem dúvida e por comparação com padrões “ocidentais”, mais um exemplo de uma Justiça lenta, o que é mau, péssimo e, imagine-se, uma preocupação constante dos nossos governantes, em particular do Presidente Marcelo que muito recentemente declarou, na cerimónia de abertura do Ano Judicial, que a justiça lenta não é Justiça.

Sr. Presidente Marcelo, é tempo de limpar as mãos à parede. Deixe-se de “selfies”, sorrisinhos, beijinhos e telefonemas para "pivots" femininas. Perceba o que é! É Presidente da República Portuguesa! Tenha a postura adequada à maior posição do Estado! Deixe-se de discursos muito aplaudidos. Use, de facto, a sua magistratura de influência mas com dignidade. O homem não se enxerga!! A continuar assim o futuro deste "presidente do povo" será um "programa da manhã"! (Vasco Pulido dixit). 

O ex-ministro Armando Vara, que foi condecorado em 2005 por Jorge Sampaio, vai perder a Ordem do Infante, por ter sido condenado a pena de prisão superior a 3 anos. Muitíssimo bem e é muito poucochinho.

Vara, foi, finalmente, “dentro”. Até que enfim. Faltam os outros que para vergonha do sistema democrático são muitos, demasiados.

“O rei vai nu” e ninguém, absolutamente ninguém, o veste!

Uma vergonha para o “sacro-santo” sistema democrático e para os métodos utilizados (legalmente!) pela advocacia nacional. Uma vergonhosa sucessão de recursos. Legal? Claro, mas uma tristeza. A advocacia é a garantia da justiça e não o seu adiamento e não a defesa do que é crime.

Compadrio? Corrupção? Provavelmente uma mistura “de merde”.

Macaco.jpg

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por alea às 16:50


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Janeiro 2019

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031


Links

Blog

  • www.metralhada.blogspot.com