Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Na nuvem do acaso

Quase nada de um pouco de tudo.



Sexta-feira, 29.06.18

Marcelices

Esta deslocação do Presidente Marcelo aos EUA teve uma natureza relâmpago. Pelo que foi dito, a “entrevista” teve uma duração de 30 minutos.

Fiquei maravilhado com os comentários dos nossos crânios e “homens do tacho” políticos.

Dizem que foi um grande feito da diplomacia portuguesa, que foi mais uma demonstração da invulgar maestria cultural e malabarista do presidente da república.

Para nós, miserável público, não foram divulgadas as questões maiores, tais como a base dos EUA nas Lajes, a NATO e o problema da emigração.

E o que se soube pelos media? Que Marcelo deu uma lição de história e de apertos de mão a Trump, o que, dizem, foi estudado. O francês Macron e o japonês Shinzō Abe devem estar a roer as unhas de inveja.

Soubemos que Marcelo sublinhou (com caretas) a política trumpista sobre a emigração, que referiu que, apesar da mais antiga aliança de Portugal ser com a Grã Bretanha, Portugal foi o primeiro país a reconhecer a independência dos EUA o que foi feito com um brinde com vinho da Madeira, que CR7 é o melhor jogador de futebol do Mundo, que há 1 milhão e 400 mil portugueses e lusodescendentes nos EUA, etc.

E, “the last but not the least”, que Putin lhe tinha pedido para mandar cumprimentos. Ridículo.

Uma teatral tristeza a contrastar com o curto, infantil e também ridículo diálogo que Marcelo teve no ano passado com a Raínha de Inglaterra.

Também soubemos que Marcelo, após ter sublinhado o papel de Portugal como potência mundial futebolística e respondendo a uma interrogação de Trump, não recear uma candidatura de Cristiano Ronaldo à presidência da República. Comentou que “Portugal não é como os EUA”.

Também vi, no final, Marcelo, refastelado na cadeira tal como macho alfa, numa pose que “de estado” nada tinha, e Trump sentado com a sua gravata vermelha caída, inclinado para a frente e de mãos cruzadas pendentes, desanimadas. Elucidativo.

Afortunadamente, há uma visita presidencial à China para confirmarmos a realidade marcelista a qual se reflecte na “implausibilidade” (Vasco Pulido Valente dixit) de ele ter sido eleito como mais alto magistrado da Nação.

Uma evitável ridicularia foi o que foi a visita de Marcelo a Trump.

No comportamento, Trump, representante de um país com mais de 300 milhões de habitantes, deu cartas ao ser educado e contido com o “chefe” de mundialmente insignificantes 10 milhões (na economia, no poder militar, na influência política).

D. Pedro I “o cru” cantava e dançava por Lisboa ao som de "longas" com a populaça. Marcelo “o beijoqueiro” baila e tira “selfies” com o povo. Passados 650 anos os tempos não mudaram.

      

IMG-20180628-WA0024.jpg

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por alea às 16:05


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Junho 2018

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930


Links

Blog

  • www.metralhada.blogspot.com