Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Nenikamen

Domingo, 28.06.15
 
 

Marathon.jpg

Nenikamen, “vencemos” foram, diz a lenda, as últimas palavras de Philipedes ao morrer aos pés da Acrópole anunciando a victória dos gregos sobre os persas após uma corrida de 35km (Setembro, 490 a.C.).

As cidades gregas da Ásia Menor rejeitavam a tutela persa de Darius “Rei dos reis” e Atenas mobilizou-se para as auxiliar.
Os persas queimam Mileto e deportam os seus habitantes.
Os cidadãos atenienses em grande inferioridade numérica (10.000 contra 20.000 persas - o número de 100.000 é avançado por alguns historiadores) porque as outras cidades-estado desertaram, derrotam, na planície de Maratona a 35 km de Atenas e graças ao génio militar de Miltíades, os persas que são obrigados a bater em retirada e a recolher aos seus navios.
Isto passa-se há 2.500 anos e, num jogo “faz-de-conta”, suscita perplexidades.
E se hoje se substituísse “persas” (a potência da altura) por “troika” (ou U.E.), “Mileto” por “Grécia”, “deportação” por “ruína”? Mas a analogia fica, infelizmente, por aqui, porque não haverá a exclamação “nenikamen”.
A finança, os especuladores internacionais (percursores e agentes, dizem, de uma 3ª guerra mundial de perfil financeiro, tecnológico e informático) são hoje muito mais poderosos do que a arma nuclear do século XX b.C. ou as flechas ou as lanças do século V a.C.
Assiste-se hoje a uma deserção, não de cidades-estado inimigas de Atenas, mas de nações europeias subservientes da finança, de interesses pouco claros, dos bancos alemães e franceses.
O ideal europeu da solidariedade rompeu-se para sempre e a mentira e a hipocrisia imperam.
Não se contesta a esmagadora dívida grega de mais de 300 mil milhões de euros, os perdões de dívida, a total ineficácia da máquina fiscal grega, o “laisser faire laisser passer” grego, o “viver à sombra de empréstimos” e etc. Não, não se deveria acenar o indiscutível mas sim discutir-se o que são as firmes “janelas de oportunidade” apresentadas pelo governo grego democraticamente eleito. Não é admissível contestar o que o povo grego aprovou como disposições constitucionais o que, como português, não gostaria que estrangeiros fizessem para cá.
Indiscutível? A especulação e a usura financeira internacional.
Indiscutível? A austeridade cega, esmagadora e humilhante a que esteve sujeito o povo grego lançando centenas de milhares de cidadãos para o desemprego, cortando pensões para além do razoável, semeando a pobreza.
Indiscutível? A impossibilidade de pagamento daquela monstruosa dívida. Terá que ser “reestruturada”, tal como a portuguesa.
Indiscutível? A inflexível prepotência de 18 iluminados coveiros do euro em “águas desconhecidas” e lançando um povo para a catástrofe.
Indiscutível? A vergonhosa posição de subserviência sentada (ou levantada “eu, sôtor, eu”) do “bom aluno” do governo de Portugal.
Indiscutível? Que Portugal estará a seguir mau grado os seus “cofres cheios” (“cheios” de quê? de dívida nas mãos de instituições financeiras).
Indiscutível? A mentira eleitoral de hoje para que o amanhã fique como lá fora se quer que fique. Vergonha.
Faz falta um Miltíades para nossa defesa das pérsias de hoje.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por alea às 21:58

Passos Rabbit

Quarta-feira, 17.06.15
 
 

Homem-Coelho.JPG

Mito: crença claramente errada; relato próprio da fábula.
Mito urbano: forma moderna de folclore; história verdadeira ou não, consoante o contador.

Consoante o contador...É preciso ter lata ó Passos Rabbit!

Lewis Carroll descreve a personalidade do “White Rabbit” do País das Maravilhas como sendo uma antítese da jovem, corajosa e frontal Alice.
“Ó meu Deus, Ó meu Deus, vou chegar atrasado outra vez. Ó meu Deus, Ó meu Deus, não tenho tempo nem sequer para dizer olá, Ó meu Deus, Ó meu Deus…”. No final, confessa à vaca Clarabela “Não estou de facto atrasado, não tenho nenhum encontro, sou uma fraude”. Para além de convencido da sua pessoa, o “White Rabbit” é pomposo e prepotente para com os seus inferiores e obsequioso e subserviente para com as altezas.
O coelho de cá, o “Passos Rabbit”, é o que aldraba e desgoverna este desgraçado “País da Marabilhas".
O coelho de cá invocou os “mitos urbanos” para negar sorridentemente que alguma vez tenha incentivado a emigração de mais de 300.000 cidadãos (360.000 entre 2010 e 2013 de acordo com o “Emigração Portuguesa, Relatório Estatístico de 2014” do Observatório da Emigração, sendo de assinalar que as “saídas anuais” cresceram acentuadamente a partir de 2010 com 70.000 saídas, atingindo o valor de 110.000 em 2013 - fig. 6 da pág. 36 - ). A maior sangria que Portugal sofreu desde os anos sessenta do século passado.
Negou e desafiou que o provassem, o que no dia seguinte foi imediatamente feito pelos media, por exemplo:
http://rr.sapo.pt/informacao_detalhe.aspx?fid=27&did=189998

http://www.tvi24.iol.pt/politica/passos-coelho/passos-ideia-de-que-incentivei-os-jovens-a-emigrar-e-um-mito-urbano

http://www.publico.pt/politica/noticia/este-mito-urbano-nao-e-como-os-outros-existiu-1698380

Estranhamente (ou não) a mentira teve “mil” vezes menos cobertura mediática do que a contratação de JJ para treinador do Sporting.

Para mais informação consultar a “net”, nomeadamente:

http://www.leituras.eu/este-mito-urbano-nao-e-como-os-outros-existiu/

http://aventar.eu/2015/06/10/apanhado-na-mentira-passos-coelho-introduz-uma-diversao/


Acho que existe alguma coincidência de caracter entre os dois coelhos, o de “White Rabbit” e o de “Passos Rabbit”.
O coelho de cá usa e abusa para consumo interno de um catedrático “o que significa portanto” (é muito culto e explica tudo muito bem) mas lá fora é humilde e servil recebendo ordens que cá dentro decreta, embora em campanha eleitoral tenha firme e repetidamente negado essa sua intenção (Ó meu Deus, Ó meus Deus, são tudo “mitos urbanos”). Como justificação, invoca o pacto assinado com a Troika esquecendo-se que foi muito para além do que nele se impunha. Teve o despudor de afirmar:
“O PSD chumbou o PEC4 porque tem de se dizer basta: a austeridade não pode incidir sempre no aumento de impostos e no corte do rendimento”.
Depois, enquanto governo, foi o que se viu: o maior aumento de impostos da história recente e o corte brutal das pensões.
É preciso não ter vergonha na cara.
Com ar próprio de um barítono de opereta, de óculos intelectuais e sorriso de boca apertada tem repetidamente manifestado uma personalidade mentirosa (vejam-se as suas promessas eleitorais e o seu muito recente esquecimento de declarações feitas sobre a emigração).
O coelho de cá, como o da história, é uma fraude e se fosse personagem de contos (o que infelizmente não é) poderia exclamar:
“Ó meu Deus, Ó meu Deus, não perguntem mais nada, mitos urbanos, mitos urbanos, tenho um encontro muito importante em Bruxelas e não quero chegar atrasado”.

Passos Coelho.jpg

Depois de um Sócrates sai-nos este outro Pinóquio. Estamos feitos. Ó Bunny_Man empresta lá o teu martelo.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Só à estalada

Domingo, 14.06.15
 
 

juiz_martelado3.jpg

O Decreto-Lei nº 4/2015 relativo à revisão do Código de Procedimento Administrativo foi aprovado pelo Governo em Conselho de Ministros de 9 de Outubro de 2014, promulgado em 2 de Janeiro de 2015, referendado em 6 de Janeiro de 2015 e mandado publicar em Diário da República (1ª Série – nº 4, de 7 de Janeiro de 2015) pelo Presidente da República Aníbal Cavaco Silva.
https://dre.pt/application/file/66047121
Nos últimos parágrafos do ponto 7 do Preâmbulo do referido Decreto-Lei pode ler-se:
“(…)Merece realce a previsão da possibilidade da celebração de acordos endoprocedimentais (artigo 57.º). Através destes, os sujeitos da relação jurídica procedimental podem convencionar termos do procedimento que caibam no âmbito da discricionariedade procedimental ou o próprio conteúdo da decisão a tomar a final, dentro dos limites em que esta possibilidade é legalmente admitida.No n.º 2 do artigo 57.º, além de se deixar absolutamente claro o caráter jurídico dos vínculos resultantes da contratação de acordos endoprocedimentais, configura -se uma possível projeção participativa procedimental da contradição de pretensões de particulares nas relações jurídico-administrativas multipolares ou poligonais. (…).”.
Lindo.
Este texto psicadélica e exotericamente imbecil, extracto de um total com 6 (seis) páginas (50 a 55), faz parte do Preâmbulo do referido Decreto-Lei que tem nove artigos que ocupam 1 (uma) página (56), excluindo, como é evidente, o propriamente dito CPA - Anexo do artigo 2º - o qual tem 31 páginas.
Como se pode verificar no seu final, o decreto obteve as assinaturas dos seguintes membros do Governo presentes à mencionada reunião do Conselho de Ministros: Pedro Passos Coelho, Maria Luís C. M. D. de Albuquerque, Paula Maria Von Hafe Teixeira da Cruz, Pedro Alexandre V. A. Lomba, António M. Pires de Lima, Jorge Manuel l. Moreira da Silva.
Quem é que redigiu ou reviu o texto preambular? Quem? Muito provavelmente a Paulinha (ou, eventualmente e no que respeita à redacção, a luminária bem paga de um seu assessor) dado que os outros ilustres membros do Conselho nada têm a ver com o pelouro da Justiça.
Ó Paula Maria, francamente, então a Sr.ª Dr.ª advogada ministra dá aos seus colegas de governo aquela coisa para aprovar, assinar e promulgar?! É certo que é apenas licenciada na Universidadse Livre que o Ministério da Educação e Cultura deixou de reconhecer em 1986 pela degradação do ensino que na mesma se vinha administrando (Despacho 94/SEES/86 publicado no DR, 2ª de 26-9-86) e que evitou a Faculdade de Direito de Lisboa porque lhe faltavam, como parece evidente na sua prática profissional e governativa, unhas para a guitarra.
Ó Sr. Presidente Silva, então manda publicar esta coisa?!
Mas, claro, é necessário “épater le bourgeois”, dizer, escrever qualquer coisa que impressione o Zé “eleitor-contribuinte”, que o aproxime ainda mais do futebol e o afaste das "endoincompetências" da política de um Coelho, de um Paulinho, de uma Paulinha Maria, eteceteretal.
Depois dos “inconseguimentos” só faltavam os “endoprocedimentos... poligonais”.

pessoas_que_mereciam_uma_bofetada_4.jpg

Valha-nos Deus.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por alea às 20:05

Carta a Garcia

Quinta-feira, 11.06.15
 
 

Ano: 1898.
Local: Cuba.
Cenário: Guerra entre a Espanha e os EUA.

Calixto Garcia Iniguez foi um revolucionário cubano que se bateu pela independência do seu país, então colónia espanhola. De importante família criola, nasceu em 1839.
Na luta de cubanos inssurectos, de que foi um dos principais e constantes protagonistas, destacou-se na “Guerra dos Dez Anos” (1868-1878), durante a qual, em 1874, tentou matar-se antes que fosse feito prisioneiro (do tiro na boca sobreviveu, graças aos cuidados dos médicos espanhóis, desfeado pela bala que saíu pela testa e com sequelas para toda a vida),

Calixto Garcia.jpg

na “pequena Guerra (1879-1880) e na “Guerra da Independência (1895)” na qual foi o general das forças revoltosas cubanas.
Esta última guerra conduziu à intervenção dos EUA a qual obrigou a retirada de Espanha em 1898 e à declaração da independência de Cuba em 1902 (http://en.wikipedia.org/wiki/Spanish%E2%80%93American_War ).

Calixto_García_and_William_Ludlow_in_Cuba,_1898.j

Faleceu em 1898 com 59 anos de um ataque fulminante de apoplexia quando se encontrava em missão diplomática em Washington.
http://fr.wikipedia.org/wiki/Calixto_Garc%C3%ADa

O presidente norteamericano da altura era William McKinley o qual necessitava de contactar o general chefe das forças rebeldes de paradeiro incerto na Sierra Maestra.
Escreveu-lhe uma carta na qual solicitava um conjunto de informações vitais para o sucesso da intervenção dos EUA e interrogou o seu gabinete quem seria o mensageiro ideal para que essa carta chegasse ao seu destino.
Responderam-lhe que o homem certo era o então tenente Andrew Summers Rowan, oficial graduado em West Point.

rowan.jpg

http://en.wikipedia.org/wiki/A_Message_to_Garcia.
O percurso foi épico, a carta entregue em mão.


“I had delivered my message to Garcia!”
(http://www.foundationsmag.com/rowan.html)


A história foi relatada pelo jornalista Elbert Hubbard em 1899. (http://ocw.mit.edu/courses/electrical-engineering-and-computer-science/6-803-the-human-intelligence-enterprise-spring-2006/readings/hubbard1899.pdf9

O assunto “Carta a Garcia” encontra-se espalhado por muitos “sites” da net pelo que não percebo, nos tempos de hoje, as interrogações que levanta. Basta “gloogar”.
Mas o que importa, para além da leitura do relato, é o significado da expressão “levar uma carta a Garcia”.
Compreendo que seja “um desafio extremamente difícil” mas julgo que, nos tempos de hoje e sobretudo para reflexão da “geração das facilidades”, que a aventura e o seu desfecho constituem uma lição:
Quando se ordena uma tarefa a alguém o pior é a natureza de interrogações que eventualmente dela decorrem: “Porquê’”, “Para quê?”, “Como?”, “Porquê eu?”, “Não é a minha especialidade”, “Já?!”... quando a única reacção deveria ser “Tenho que e é já”.
Exactamente: o tenente Rowan disse “tenho que encontrar Garcia e entregar-lhe esta mensagem”. Pegou na carta e foi entregá-la. Desembarcou na ilha de Cuba, atravessou de costa a costa um território desconhecido e após uma viagem de três semanas saíu pelo outro lado da ilha depois de ter entregue a carta ao general Garcia. Sem mais.

impossible.jpg

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por alea às 18:47

Conta e Tempo

Quarta-feira, 03.06.15
 
 

Recebi a passada semana de um dos meus correspondentes o soneto do século XVII que abaixo transcrevo.
Não era novidade para mim: o meu pai deu-me uma litografia com o texto quando passei no exame da 4ª classe. E, quando saí de casa dos meus pais, aquela gravura acompanhou-me. Continua hoje no meu escritório, encostada aos livros de uma das estantes altas da minha biblioteca. Uma preciosidade a que só o inverno da vida dá valor. “l´insouciance de la jeunesse oublie”...Como autoria consta a de Frei Castelo Branco.

time.jpg

Deus pede estrita conta de meu tempo.
E eu vou, do meu tempo, dar-lhe conta.
Mas, como dar, sem tempo, tanta conta,
Eu, que gastei, sem conta, tanto tempo?

Para dar minha conta feita a tempo,
O tempo me foi dado, e não fiz conta.
Não quis, sobrando tempo, fazer conta.
Hoje, quero fazer conta, e não há tempo.

Oh, vós, que tendes tempo sem ter conta,
Não gasteis vosso tempo em passatempo.
Cuidai, enquanto é tempo, em fazer conta!

Pois, aqueles que, sem conta, gastam tempo,
Quando o tempo chegar, de prestar conta
Chorarão, como eu, o não ter tempo.

                            Frei Castelo Branco ou António Fonseca Soares ? (século XVII )

imagens-para-facebook-o-tempo1.jpg

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

tags:

publicado por alea às 16:55






links

Blog

  • www.metralhada.blogspot.com


comentários recentes

  • Anónimo

    Almada Negreiros sabia-o bem.Dos não presos há um ...

  • Eurico Ribeiro

    Uma remontagem das revoluções muito tradicionais e...

  • Tudo Mesmo

    Cá para mim, eles nunca contaram ficar muito tempo...

  • Tudo Mesmo

    À semelhança da maioria dos divórcios: um fica com...

  • alea

    100% de acordo.

  • alea

    Percebo a sua posição e concordo com a tese se for...

  • O ultimo fecha a porta

    Falei sobre isso ontem e tb refleti sobre o que is...

  • Marta Elle

    É estranho eles serem assim tão tumultuosos nas ma...

  • Alexandre Júlio

    O Prof. José Hermano Saraiva contou a história do ...

  • José Valdez

    https://casarealdebraganca.wixsite.com/reifazdecon...




subscrever feeds