Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



O Dr. Soares e a "Operação Marquês"

Quarta-feira, 26.11.14
 
 

tatuagens-de-coroas-pequenas.jpg

Os desenvolvimentos do “Processo do Marquês” têm sido invulgarmente poucos dada a notoriedade da personagem Pinto de Sousa.
Sublinho “personagem” porque “engenheiro” é que ele não é.
De facto, O título é “ (...) da atribuição exclusiva da Ordem dos Engenheiros (...)” (“Regulamento da Cédula Profissional e do Exercício da Profissão” ), http://www.ordemengenheiros.pt/fotos/editor2/caq/regulamento_cedula_profissional.pdf
Acontece que o Sr. José Pinto de Sousa nunca requereu à Ordem dos Engenheiros tal título e por uma razão muito simples: se o fizesse o Colégio de Engenharia Civil teria dado parecer negativo, o que não significa que os órgãos superiores da Ordem não viessem, muito provavelmente, a contestar veementemente tal parecer (“noblesse oblige”).
Aqui reside o problema: não há cidadãos todos iguais perante a Lei como é dito e redito por políticos e sublinhado pelos media. Há uns mais iguais do que outros, como é o caso de José Sócrates e, também, do "senador" da República o Dr. Mário Soares.
Tendo achado natural e louvável (porque a amizade revela-se nos tempos difíceis) que alguns (poucos) membros do ex-executivo tenham querido exprimir a sua solidariedade para quem os chefiou durante quase oito anos, considero patéticas e lamentáveis as recentíssimas declarações do Dr. Mário Soares que para além de ter declarado, em tom insultuoso, aos órgãos de comunicação social que o caso é "político" e orquestrado por "malandros", não se coíbiu de duvidar da isenção da justiça exclamando "diga a esse juiz que é muito estranho, que eu também sou jurista".
Ora Portugal está cheio de juristas que nunca praticaram a sua profissão e que têm o bom-senso de não colocarem na mesa essa realidade.
Mas ao Dr. Soares parece que tudo é permitido, sobretudo quando vai fazer 90 anos, facto que não deixa de fazer pena como justificação de uma vergonhosa e indigna atitude de quem já foi o mais alto magistrado da Nação.
Alguém consegue esquecer a arrogância que o senhor revelou com agentes da autoridade há uns anos quando o autocarro em que viajava, julgo que em campanha eleitoral ou coisa parecida, foi mandado parar? Inacreditável e inaceitável.
O que o Dr. Soares diz não deveria aquecer ou arrefecer o cidadão, o contribuinte que lhe paga pensões, fundações, etecetera-e-tal, mas faz pena vê-lo assim, muita pena.
José Pinto de Sousa foi detido por suspeição da prática de crimes graves e vergonhosos. Ponto.
José Pinto de Sousa está em prisão preventiva decretada por juiz, eventualmente por requerimento do Ministério Público, por perigo de perturbação da investigação. Ponto.
Dado o passado político e o perfil pessoal de José Sócrates esta medida e, sobretudo, a sua justificação, é mais do que compreensível e justificada. No entanto, o andamento da fase final do processo e, sobretudo, a justificação da medida cautelar, a que o juiz, no entanto, não era obrigado, deveria ter tido informação oportuna e clara o que não aconteceu.
Aguardemos as solidariedades e as pusilanimidades que certamente hão de surgir.
Na minha opinião, o José Pinto de Sousa é, de facto, um líder político mas um líder que se aproveitou despudoradamente e para benefício pessoal das suas funções públicas e que, hoje, sorri e mesmo ri das vergonhas que lhe caíram em cima.
Por que será? Porque é um malandro.

ze_carioca_pandeiro.gif

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por alea às 21:42

As professoras e o seu casamento

Terça-feira, 25.11.14
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

 

Reproduzo uma imagem que me foi enviada há tempos por "mail". Desconheço a fonte.

Ao pé disto as inaceitáveis violações dos direitos das professoras são uma brincalhotice e o "professor" Mário Nogueira, presidente da Fenprof -sindicato dos professores- ( o qual não sei, dado o período de inactividade de décadas na "nobre função", se ainda sabe ensinar...), teria uma justificadíssima síncope. 

image001.jpg

                                                                                     Decreto 27 279 de 24.11.1936

(Estas disposições dos anos de 1936 e 1937, não permitiriam o casamento de uma professora com José Sócrates. De facto, se o hipotético pretendente tem um perfil que é largamente conforme ao disposto no artigo 2º do decreto - se se excluir a exigência de comprovação documental - , o disposto no artigo 1º e no último parágrafo da circular de 1937 tornariam hoje impossível uma autorização ministerial).

 

                                                                                    

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por alea às 10:44

Sócrates dentro

Domingo, 23.11.14
 
 

“Nada há de encoberto que não haja de revelar-se, nem oculto que não haja de saber-se” Mateus 10:26.

Sócrates dentro,

images.jpg

, por suspeita de corrupção, branqueamento de capitais e de fraude fiscal.

É um incómodo que lhe não vai fazer grande mal, para além do “kaput” de uma carreira política. Nada o vai livrar disso. Do resto? Safa-se por advogados do melhor que a sua mal ganha e inexplicável fortuna irá pagar.

Surpreendido? Sim, por só ser agora.

É mau para o PS? Sim, é uma bomba política cujos estilhaços o atingem e com consequências negativas na sua luta pelo poder, até hoje com grandes probabilidades de victória. Basta lembrar as declarações irresponsáveis e desnecessárias do seu líder parlamentar Ferro Rodrigues de louvor ao saudoso líder José Sócrates (a que, curiosamente, se juntam, num espaço temporal muito curto, os apelos ao Presidente da República para uma sua condecoração e a condecoração que lhe foi conferida pela Câmara Municipal da Covilhã) e, também, a necessidade sentida pelo seu Secretário Geral, António Costa, de envio de um SMS aos militantes.

José Sócrates? Um aldrabão e um mentiroso que a suspeição acompanhou desde o início da sua carreira. Agora, de acordo com a Procuradoria Geral da República, é suspeito de corrupção. Até ontem conseguiu escapar à justiça. Como?

A casinha em Paris em Passy, bairro no muitíssimo refinado bairro do XVI éme? Afinal não foi alugada, foi comprada por três milhões de euros. As casinhas no edifício Castil de Lisboa? Até agora, continua a ser uma compra com as poupanças da mãezinha que passou, por passes de mágica, a herdeira rica. O curso numa prestigiosa escola de gestão europeia em Paris? Custeado por um empréstimo ao banco. A possibilidade de uma luxuosa vida após a sua saída de primeiro ministro de Portugal? Economias de vários anos de vida dedicada à causa pública. Etecetera-e-tal.

Surpresa? Para mim apenas a do indivíduo ter ido dentro só agora. Haverá compadrios, haverá uma vergonhosa defesa de vergonhas que a muitos poderá atingir, haverá pusilanimidade a todos os níveis e já há descabida retórica políticopartidária ("é um dia triste para Portugal", "tentativa de humilhação", "os políticos não são todos iguais") que só o politicamente conveniente pode justificar. Mas, explicações para quê? A justiça adormecida durante anos pelo poder e pelos interesses, apagou a indiscutível falsa licenciatura, os casos “Freeport”, “Monte Branco”, “Face Oculta” e só actuou ao retardador (como eventualmente é conveniente e certamente politicamente aconselhável) depois do “engenheiro” deixar de ser poder e de "marçano" passar a ser rico para além do que é compreensível. Acho que as alterações ao nível da Procuradoria Geral da República foram determinantes e não acredito numa acção governativa vingativa ou competente.
Enfim, uma vergonha a somar a tantas outras: foi o BPN (que é feito do Oliveira e Costa? E onde para o Dias Loureiro?). E foi o BPP e o caso dos submarinos, liminarmente resolvido pela justiça alemã e que por cá continua em "águas de bacalhau". Por que será? E é o BES e a PT e é a corrupção de altos dirigentes de importantes e sensíveis organismos do Estado, como é o caso dos serviços de registos e de notariado, dos serviços de segurança e da justiça, todos envolvidos na concessão fraudulenta de vistos "gold".
Tantos cúmplices miseráveis, com a esquerda e a direita misturadas num agoniante pacote central com a extrema esquerda portuguesa recebendo rejubilante o populismo demagógico e perigosíssimo do “Podemos” espanhol, do “Syriza” grego e do “Sinn Féin” irlandês num congresso fratricida.

Hoje, em Portugal, não há força política que se preocupe com o cidadão, apenas partidos que olham para o umbigo com dirigentes que agem de acordo com interesses pessoais ignorando o interesse público. Vivemos (“pardon my english”) na mais completa m.... Olhem, para me animar e anestesiar, vou assistir ao resumo do Benfica-Moreirense. Bater nos mais fracos é um hábito descansativo e pouco perigoso como comprova a política recente.

Foto 2.jpg

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por alea às 18:18

O "Estado" islâmico e o fanatismo.

Domingo, 16.11.14
 
 

“O silêncio dos chinelos é mais perigoso do que o barulho das botas”
“O mundo é perigoso não tanto por causa dos que fazem o mal, mas por causa dos que olham e deixam fazer”.

Ouvi agora, num noticiário da televisão, que o "Estado Islâmico" (Estado?) anunciou a decapitação de um funcionário de uma ONG de nacionalidade norte-americana de nome Peter Kassig (ouvi, também, em noticiário radiofónico que a declaração foi acompanhada de vídeo comprovativo no qual figurava, junto ao executor, uma cabeça...) assim como de mais 15 homens que se identificaram como soldados sírios.

Na minha opinião, a reacção da comunidade internacional a estes assassinatos tem sido timorata, tímida e inconsequente. Porque será? Provavelmente porque não há interesses políticos, económicos ou outros em jogo, como foi o caso do Iraque e é o caso do Afganistão. 

É cómodo culpar a Turquia, a qual tem cautelosas reservas, dado o seu problema curdo, sobre uma sua intervenção isolada. 

Não basta lançar de aviões mantimentos e armas aos heróicos resistentes no norte da Síria junto à fronteira com a Turquia. Justifica-se, muito mais, uma intervenção militar terrestre de uma ampla coligação ocidental. Só que não há interesses em jogo...É a miserável "ética" dos nossos tempos.

Aliás, julgo pertinente a interrogação: quem está por detrás do "Islamic State of Iraq and the Levant (ISIL /ˈsəl/), also translated as the Islamic State of Iraq and Syria (ISIS /ˈsɪs/; ad-Dawlah al-Islāmīyah fīl-ʻIraq wa ash-Shām), also known by the Arabic acronym Daʿish and self-proclaimed as the Islamic State (IS)"?

http://en.wikipedia.org/wiki/Islamic_State_of_Iraq_and_the_Levant 

Ali há um ensurdecedor e sanguilonento "barulho de botas" e a Ocidente há, apenas, um vergonhoso "silêncio de chinelos" (a excepção confirma a regra) e um "olhar e deixar fazer". Porquê? Porque não há "interesses".

“Um homem cuja família pertencia à aristocracia alemã, antes da 2ª Guerra Mundial, possuía um certo número de grandes fábricas e de propriedades. Quando lhe perguntavam quantos alemaes eram verdadeiros nazis, respondia de um modo que nos pode guiar no que respeita o fanatismo.

Cruz.jpg

“Poucos são os verdadeiros nazis”, dizia ele “mas são numerosos os que se alegram com o regresso do orgulho alemão e ainda mais os que estão demasiadamente ocupados para a isso prestar atenção. Eu era um dos que simplesmente pensava que os nazis eram um bando de marados. Também a maioria contentou-se a olhar e a deixar passar. De repente, antes que nos pudessemos dar conta, eles possuíram-nos, perdemos toda a liberdade de manobra e tinha chegado o fim do mundo. A minha família perdeu tudo, acabei num campo de concentração e os aliados destruíram as minhas fábricas.”
A Russia era constituída de russos que apenas desejavam viver em paz, mau grado os comunistas russos tenham sido responsáveis pelo assassínio de cerda de vinte milhões de pessoas. A pacífica maioria era a isso alheia.
A imensa população chinesa era, ela também, pacífica mas os comunistas chineses conseguiram matar um número superior a sessenta milhões de pessoas.
O japonês médio, antes da 2ª Guerra Mundial, não era um sádico belicista. No entanto, o Japão, deixou um rasto de assínios e de carnificinas ao longo do seu caminho pelo sudeste da Ásia numa orgia de matanças incluindo o sistemático abate de doze milhões de chinese civis, a maioris mortos à espada, à pá ou à baioneta.
E quem pode esquecer a queda do Ruanda no meio de uma carnificina. Não se poderia afirmar que a maioria dos ruandeses era a favor da “Paz e do Amor”?.
As lições da História são frequentemente inacreditavelmente simples e brutais e, no entanto, mau grado todas as nossas faculdades de raciocínio, passamos muitas vezes ao lado das coisas mais simples e menos complicadas: os muçulmanos pacíficos tornaram-se pelo seu silêncio inconsequentes.
Hoje os “peritos” e as “mentes bem pensantes” não se cansam de nos repetir que o Islão é a religião da paz e que a enorme maioria dos muçulmanos só deseja viver em paz. Se bem que esta gratuita afirmação possa ser verdadeira ela é totalmente infundada. É um engano desprovido de sentido destinado a reconfortar-nos e, em certa medida, a atenuar o espectro do fanatismo que invade o mundo em nome do Islão.

bandeira.JPG

O facto é que actualmente são fanáticos os que governam o Islão. São fanáticos exibicionistas. São fanáticos que financiam os numerosos conflitos armados que assolam o mundo. São fanáticos que sistematicamente assassinam cristãos ou grupos tribais em toda a África e que lentamente se apoderam de todo o continente, através de uma onda islâmica.
São fanáticos que colocam bombas, decapitam, massacram ou cometem os crimes de “honra”. São fanáticos que controlam mesquitas, uma a seguir a outra. São fanáticos que pregam zelosamente a lapidação e o enforcamento das vítimas da violação e os homosexuais. A brutal e quantificavel realidade é que a maioria pacifica, a maioria silenciosa nada faz e esconde-se. Se não reagirem, os muçulmanos pacíficos tornar-se-ão nossos inimigos porque, tal como o meu amigo alemão, acordarão um dia para constatar que são a presa dos fanáticos e que o fim do seu mundo terá começado.

IS-beheads-American-Foley-thumb-560x301-3632.jpg

Os alemães, os japoneses, os chineses, os russos, os ruandeses, os albaneses, os afegãos, os iraquianos, os palestinianos, os nigerianos, os argelinos, todos amantes da paz, e muitos outros povos, morreram porque a maioria pacífica não reagiu antes que fosse demasiadamente tarde.
Quanto a nós, que contemplamos tudo isto, só devemos observar o único grupo importante para a nossa vida: os fanáticos.
“Quando vieram buscar os comunistas, não protestei porque não era comunista. Quando vieram buscar os judeus, não protestei porque não era judeu. Quando vieram buscar os sindicalistas, não protestei porque não era sindicalista. Quando vieram buscar os católicos, não protestei porque não era católico. E quando me vieram buscar, não havia ninguém para protestar.”
O autor deste texto, Martin Niemoller (1892-1984), foi um pastor protestante, preso em 1937 e enviado para o campo de concentração de Sachsenhausen. Foi depois transferido em 1941 para o campo de Dachau. Libertado com a queda do regime nazi em 1945.

n6.jpg

“Na primeira noite eles aproximam-se
E colhem uma flor de nosso jardim.
E não dizemos nada.

Na segunda noite já não se escondem,
Pisam as flores, matam nosso cão.
E não dizemos nada.

Até que um dia, o mais frágil deles,
entra sozinho em nossa casa, rouba-nos a lua
e, conhecendo o nosso medo,
arranca-nos a voz da garganta.

E porque não dissemos nada,
Já não podemos dizer nada.”

Maiakovski, poeta russo, “suicidado” após a revolução de Lenin.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por alea às 13:21

O "Muro de Berlim" e o Partido Comunista Português

Segunda-feira, 10.11.14
 
 
 
 

Berlin-wall-map.png

                          (in Wikipédia)

Há 25 anos (a 9 de Novembro de 1989) começou a ser derrubado o “Muro de Berlim” também conhecido por “Muro da Vergonha” que separava, em Berlim, as duas metades da Alemanha.
A sua construção pela República Democrática Alemã (RDA) teve início a 13 de Agosto de 1967. O muro era constituído por 155 km de vedação (dos quais 66,5 km na fronteira em Berlim), 302 torres de vigilância, 127 troços de rede metálica electrificada. Em Berlim, a vedação era constituída por um muro de betão com cerca de 3 m de altura precedido, para o lado de Berlim Este, por uma vedação metálica.

Structure_of_Berlin_Wall-fr.svg.png

                        (in Wikipédia)

Para além dos militares, 1000 cães asseguravam a guarda. Segundo números das autoridades comunistas, das tentativas de fuga para o Ocidente resultaram oitenta mortos (fontes ocidentais asseguraram que foram mais de duzentas), cento e doze feridos e milhares de prisioneiros.
A data foi celebrada e objecto de grande cobertura mediática, como se compreende. “Como se compreende” depende. Ora leiam este extracto de um longo artigo com 9 pontos do jornal “Avante” (órgão oficial do Partido Comunista Português), nº 2136 do passado dia 6 de Novembro:

“A pretexto da passagem de 25 anos sobre a chamada «queda do muro de Berlim» está a ser levada a cabo uma campanha anticomunista de intoxicação da opinião pública.”
(...) “Mais do que a ‘queda do muro de Berlim’ o que as forças da reacção e da social-democracia celebram é o fim da República Democrática Alemã (RDA), é a anexação (a que chamam de ‘unificação’) da RDA pela República Federal Alemã (RFA) com a formação de uma ‘grande Alemanha’ imperialista, é a derrota do socialismo no primeiro Estado alemão antifascista e demais países do Leste da Europa e, posteriormente, a derrota do socialismo na URSS.”(...).

E, mais adiante, (...) Mas o imperialismo nunca desistiu das suas tentativas de liquidar a RDA socialista acabando em 1989 por alcançar a vitória, conseguindo que manifestações,(...) ganhassem a dinâmica contra-revolucionária que conduziu à precipitação dos acontecimentos e à anexação forçada da RDA pelo governo de Helmut Kohl.(...).

A construção do muro de Berlim em 1961, com carácter defensivo (...) é a resposta a constantes provocações na linha de demarcação entre a parte Leste e Ocidental da cidade(...). Um tal contexto confere ainda mais significado às realizações e ao prestígio mundial da RDA socialista, e à sua activa política de paz e de solidariedade internacionalista. (...)..

http://www.avante.pt/pt/2136/internacional/132905/

É chocante verificar a dualidade de critérios na posição do PCP. De facto, os muros erigidos por Israel, pela Coreia do Sul, por Marrocos, pelos EUA são todos eles “barreiras do mais variado tipo (sociais, raciais, religiosos e outros), por esse mundo fora, incluindo muros físicos intransponíveis” (ponto 4 do editorial), ao passo que o de Berlim tinha “caracter defensivo” (ponto 5), o qual, se calhar, era transponível ...

Comentários para quê?

Brejnev_e_Honecker.jpg

                   (Brejnev e Honecker)

 

  

 

 

 
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por alea às 21:19

Fibonacci e o "número de ouro"

Segunda-feira, 03.11.14
 
 

No meio dos meus apontamentos descobri um texto instrutivo de autor não identificado, muito interessante, sobretudo para os apaixonados pela Matemática e os seus “enigmas”. Aqui o reproduzo na sua parte essencial apenas com pequenas alterações à sua redacção.
“O número Pi. é o número irracional mais famoso da história. Representa a razão entre o perímetro de qualquer circunferência e o seu diâmetro. Equivale a: 3,141592653589793238462643383279502884197169399375... e é vulgarmente conhecido por 3,1416.
Não confundir com o número Phi ( F ) que corresponde a 1,618fibonacci.jpg

O número Phi (letra grega que se pronuncia "fi") apesar de não ser tão conhecido, tem um significado muito mais interessante e intrigante, profunda e escondidamente marcado na natureza.
Durante anos o homem procurou a proporção ideal.
Os gregos criaram o rectângulo de ouro.
Um rectângulo no qual a proporção do lado maior dividido pelo lado menor é igual a 1,618. E a partir dessa proporção tudo era construído. É o caso do Parthenon: os rectângulos que formam a face central e a lateral; a profundidade dividida pelo comprimento ou altura; tudo segue a proporção de 1,618.

parthenon.jpg

Os Egípcios fizeram o mesmo com as pirâmides: cada pedra era 1,618 menor do que a pedra de baixo, ou seja, a de baixo era 1,618 maior que a de cima, que era 1,618 maior que a da 3ª fileira e assim por diante.
Durante milénios, a arquitectura clássica grega prevaleceu, sendo o rectângulo de ouro o padrão.
No ano 1200 Leonardo Fibonacci um matemático que estudava o crescimento das populações de coelhos, criou aquela que é provavelmente a mais famosa sequência matemática, a Série Fibonacci.

miúda.jpg

 A partir de 2 coelhos, Fibonacci foi contando como a população que deles resultava aumentava. A partir da reprodução de várias gerações chegou a uma sequência onde um número é igual a soma dos dois números anteriores: 1 2 3 5 8 13 21 34 55 89 ..
Aqui aparece a 1ª "coincidência": a proporção de crescimento média da série é... 1,618 (o número Phi). Os números variam, um pouco acima às vezes, em outras um pouco abaixo, mas a média é 1,618 - exactamente a proporção das pirâmides do Egipto e do rectângulo de ouro dos gregos.
A descoberta de Fibonacci levou os cientistas a começar a estudar a natureza em termos matemáticos,descobrindo coisas estranhamente interessantes.

mão.jpg

 A proporção de abelhas fêmeas em comparação com abelhas machos numa colmeia é de 1,618;
A proporção em que aumenta o tamanho das espirais de um caracol é de 1,618;

caracol.jpg

A proporção em que aumenta o diâmetro das espirais de sementes de um girassol ou o das escamas de uma pinha é de 1,618;

Girassol+Pinha.jpg

A proporção em que se diminuem as folhas de uma árvore à medida que subimos de altura é de 1,618.”
E a mesma proporção ocorre no céu e no Universo:

ciclone+ galaxia.jpg

 Interessante e, sobretudo, intrigante.

 

 
 
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por alea às 23:31






links

Blog

  • www.metralhada.blogspot.com


comentários recentes

  • Anónimo

    Almada Negreiros sabia-o bem.Dos não presos há um ...

  • Eurico Ribeiro

    Uma remontagem das revoluções muito tradicionais e...

  • Tudo Mesmo

    Cá para mim, eles nunca contaram ficar muito tempo...

  • Tudo Mesmo

    À semelhança da maioria dos divórcios: um fica com...

  • alea

    100% de acordo.

  • alea

    Percebo a sua posição e concordo com a tese se for...

  • O ultimo fecha a porta

    Falei sobre isso ontem e tb refleti sobre o que is...

  • Marta Elle

    É estranho eles serem assim tão tumultuosos nas ma...

  • Alexandre Júlio

    O Prof. José Hermano Saraiva contou a história do ...

  • José Valdez

    https://casarealdebraganca.wixsite.com/reifazdecon...




subscrever feeds