Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



"Colabore com a polícia"

Terça-feira, 30.07.13

 

                                                          O Jacarandá

“ Na verdade, que vida seria mais triste e aborrecida do que a sua, se possuíssem um grão de bom senso...”

 F. Pessoa                                    

Foram tempos gloriosos aqueles anos oitenta.

Entre outras modas e “ slogans ” havia um que eu considerava delicioso. Era o “colabore com a Polícia“ , largamente publicitado nos meios de comunicação social e coisa em que cuja eficácea ou razão de ser eu não acreditava.

Regressado há meia  dúzia de anos de África, ainda sentia o peso dos galões nos ombros e a atmosfera revolucionária, embora já em fase de surdina, assentava que nem uma luva ao meu espírito provocador. Tudo era pretexto para eu telefonar e pedir uma ligação ao oficial de dia na PSP. Barulho de noite, zaragatas, o trânsito, incompetências diversas. Ele já me conhecia e uma inexplicável cumplicidade e cordialidade marcava as nossas relações de antigos combatentes, que eu tinha sublinhado com sucesso desde o nosso primeiro contacto. Isso e, suprema hipocrisia, a minha inabalável vontade de, como exemplar cidadão, responder ao lancinante apelo diariamente lançado nos meios de comunicação de colaborar com as forças da ordem.

”Então senhor engenheiro, como está...em que lhe posso ser útil?”. “Olhe, meu caro amigo, nada de especial só que eu hoje presenciei isto e aquilo o que, como deve calcular, é insustentável e eu quero colaborar com a polícia”...”Esteja descansado que eu providencio”. Providenciava e só a Providência podia providenciar uma escala de oficiais-de-dia perfeitamente ajustada aos meus erráticos contactos com a polícia. É um mistério que ainda hoje pode manchar a veracidade deste relato.

Todas as minhas reclamações eram menores e só eram explicáveis por um espírito retorcido como o meu. Claro que houve a excepção do ordinário que, ao lado da sua ridícula motoreta nívea, num engarrafamento directamente causado pela sua incúria e incompetência, teve o descaramento de me mandar seguir com “ essa m... de carro “. Não pude resistir e o meu camarada concordou comigo que um espectacular carro-novo-em- folha-azul-pavão-metalizado, era lindíssimo e nada que pudesse ser confundido com uma m.... “O senhor engenheiro não tirou o nome do agente?...então vai ser dificil...”.

                                 

Um belíssimo dia de Primavera fui almoçar com um colega. Íamos sempre ao mesmo local passeando por ruas que têm nomes poéticos... Florbela, Rosália...ruas povoadas de jacarandás verdes e azul-lilás. No começo de uma delas havia um com uma ramada comprida e demasiado baixa que nos obrigava, ao passar, a encolher e desviar as cabeças. Nós já sabíamos, mas que aquilo era perigoso para um distraido, era.

“Vais ver que um dia há  um gajo que bate aqui com os cornos“. E aconteceu.

Passámos, desviámos as cabeças e após meia dúzia de passos ouvimos o barulho de choque-e-queda, seguido de um tilintar de vidros e de ais. Ele estava estatelado no passeio... balbuciando “onde-estou-ai-què-que-maconteceu-onde-é-questou-ai...”, com os óculos partidos ao lado e com um respeitável lenho na cabeça. Precipitámo-nos e ouvimos lá de cima, vinda de um segundo andar, uma vózinha desafinada dizendo “eu bem dizia este mês já é o segundo...”.

                               

Ajudámo-lo a levantar, apanhámos o que restava dos óculos, sacudimos o pó do seu casaco e achámos que a situação era merecedora de uma participação ás autoridades. Nem de propósito, aproximavam-se dois guardas lado a lado.

“Senhor guarda agradecia que tomasse nota desta ocorrência...”. “Qual ocorrência ?”...”Qual ocorrência essa é boa”, e apontava para a vítima...”Esta ramada é perigosíssima e alguém tem que tomar medidas”... “Não temos nada a ver com isso, é assunto da polícia municipal...” e seguiram em frente, sem mais.

Eu de raiva nem almocei e mal cheguei ao escritório liguei para o meu camarada de armas. “Boa tarde senhor engenheiro, como está?”...”Mal, nem almocei” e contei-lhe o acontecimento e o inaceitável comportamento dos guardas. “O senhor engenheiro por acaso não tomou nota dos nomes”...”Tomei, tomei”, respondi triunfante...”são fulano e sicrano da esquadra do Campo Grande”. Seguiu-se um desconsolado silêncio. “Desta vez vai-lhe ser fácil corrigir a situação”, lembrei eu maldosamente...”Sim,sim, sim...esteja descansado, vou imediatamente tomar as medidas necessárias”. “Muito obrigado e a continuação de um bom dia para o meu amigo.” Passados poucos dias voltámos a passar pela rua. Do jacarandá nem sinal, tinha sido arrancado, serrado. Não foi só a pernada, foi todo. Para grandes males, grandes remédios devem ter pensado.

Senti-me culpado daquele assassinato e a vergonha impediu-me, desde esse dia, de continuar a telefonar para o meu camarada e desconhecido amigo oficial de dia na PSP.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por alea às 12:10

Conselhos

Domingo, 21.07.13

 

“Vou dar-te um conselho: nunca dês conselhos”

 


Concordo, mas aqui vão alguns que são impessoais.

Não prometa quando estiver feliz.
Não responda quando estiver irritado.
Não decida quando estiver triste.
Não desespere antes.
Não comemore antes.
Não desista antes do final.

 

E outro ainda:

                                    

Na incerteza pense bem antes de agir.

                                           

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por alea às 19:52

Uma denúncia: regabofe e corrupção

Quinta-feira, 18.07.13

Regabofe: festa em que se come e bebe à farta

Nestes tempos de grave crise política, de autêntico regabofe em que o cidadão tem que engolir e beber o que os políticos, analistas e e jornalistas lhe oferecem, lembrei-me de repescar uns extractos das afirmações de António Costa numa série do programa “Quadratura do Círculo”. Nelas tudo é, julgo, pertinente para se entender um pouco melhor o aspecto financeiro do dramático problema que Portugal enfrenta, embora haja quem considere oportuna uma viagem às Ilhas Selvagens a mais de 1.000 km daqui.

Então, o que é que ele afirmou perante o silêncio dos outros intervenientes?


(...) a situação a que chegámos não foi uma situação do acaso. A União Europeia financiou durante muitos anos Portugal para Portugal deixar de produzir. Não foi só nas pescas, não foi só na agricultura, foi também na indústria (...). E, portanto, esta ideia de que em Portugal ouve aqui um conjunto de pessoas que resolveram viver dos subsídios e de não trabalhar e que viveram acima das suas possibilidades é uma mentira inaceitável (...).

(...) orientámos os nossos investimentos públicos e privados em função das opções da União Europeia, em função dos fundos comunitários, em função dos subsídios que foram dados e em função do crédito que foi proporcionado. (...) é isso que estamos a pagar (...).

(...) a ideia de que os portugueses são responsáveis pela crise porque andaram a viver acima das suas possibilidades é um enorme embuste. 

(...) quem viveu muito acima das suas possibilidades nas últimas décadas foi a classe política e os muitos que se alimentaram da enorme manjedoura que é o Orçamento do Estado. 

A administração central e local enxameou-se de milhares de “boys”, criaram-se institutos inúteis, fundações fraudulentas e em presas municipais fantasmas. A este regabofe juntou-se uma epidemia fatal que é a corrupção. 


Os exemplos sucederam-se. A Expo 98 transformou uma zona degradada numa nova cidade, gerou mais-valias urbanísticas milionárias mas no final deu prejuízo. Foi ainda o Euro 2004 e a compra dos submarinos, com pagamento de luvas e corrupção provada mas só na Alemanha. 

(...) e foram as vigarices de Isaltino Morais (...) a que se juntam os casos de Duarte Lima, do BPN e do BPP, as parcerias público-privadas e mais um rol interminável de crimes que depauperaram o erário público. Todos estes negócios e previlégios concedidos a um polvo que com os seus tentáculos se alimenta do dinheiro do povo têm responsáveis conhecidos e têm como consequência os sacrifícios por que hoje passamos. 

(...) enquanto isto os portugueses têm vivido muito abaixo do nível médio europeu, não acima das suas possibilidades. Não devemos, pois, enquanto povo ter remorsos pelo estado das contas públicas, devemos antes exigir a eliminação dos previlégios que nos arruínam. 

Há que renegociar as parcerias público-privadas, rever os juros da dívida pública, extinguir organismos. Restaure-se um mínimo de seriedade e poupar-se-ão milhões sem penalizar os cidadãos. 

Não é assim, culpando e castigando o povo pelos erros da classe política que se resolve a crise. Resolve-se combatendo as suas causas, o regabofe e a corrupção. (...)

 

 Regabofe? Corrupção? Vergonhosamente sim, mas do que Portugal sofre é de um problema de educação (que não se deve confundir com "instrução" que tanto é badalada por governos e sindicatos). Dêem-lhe tanta importância como ao deficit e os resultados aparecerão. E quem são os culpados da falta de educação de que Portugal sofre? Entre outros, pais, professores, jornalistas, chefes, políticos.

Muitos pais que enfiam os filhos em escolas e que só os vêem, que só falam com eles aos fins-de-semana, se tanto. Demasiados professores que cada vez têm menos educação (que, repito, não é "instrução"). Tantos jornalistas que escrevem mal, que não sabem falar, que pensam mal e que escolhem e exploram temas para divulgação com critério próprios da imbecilidade e do sensacionalismo bacoco. Chefes, que o são mais por automatismos e por confianças do que por competência e dedicação ao trabalho. Políticos que, todos os dias e de todas as formas salvas raríssimas e honrosas excepções, nos revelam que o que interessa é "o deles", que não têm a menor ideia do que é o bem-público, que vagamente conseguem distinguir o que é honestidade e se embrulham em negociatas vergonhosas.

Não? Só pode ser distracção.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por alea às 22:14

O Presidente Silva e a crise política

Terça-feira, 16.07.13

 


O Sr. Presidente Silva, no seguimento do pedido de demissão de Paulo Portas apresentado na terça-feira dia 2 de Julho e depois de ter recebido oficialmente todos os partidos com assento na Assembleia e as confederações patronais e sindicais e, também provavelmente mas de modo informal e privado, sabe-se lá que outras entidades e personalidades, falou ao País.

Foi no dia 10 de Julho, passados 8 (oito) dias de calendário após a abertura da chamada “crise” (“manifestação fatal de total irresponsabilidade” seria o qualificativo mais adequado).O discurso pode ler-se na íntegra em:http://www.dn.pt/politica/interior.aspx?content_id=3316216&page=-1.

Para um juízo do compromisso de “salvação nacional” proposto, destacam-se as seguintes passagens do discurso:

(…) impõe-se que todos actuem de forma serena e ponderada, avaliando com bom senso e sentido de responsabilidade quais as soluções que, pela sua credibilidade e pela sua consistência, melhor servem o interesse nacional.(…). A solução apresentada pelo Presidente Silva não foi o resultado de ponderação serena, não é sensata, nem é, sobretudo, praticável tendo em atenção o público desacordo entre PS, PSD e CDS quanto à natureza das medidas de austeridade.

(…) os Portugueses puderam ter uma noção do que significa associar uma crise política à crise económica e social que o País atravessa (…). Os portugueses hoje podem hoje afirmar que o Presidente Silva prolongou e agudizou a crise política tendo eliminado qualquer das alternativas que lhe foram apresentadas para a sua superação não contribuindo para uma sua solução rápida como lhe competia.

(…) desde que estes coloquem o interesse nacional acima dos seus próprios interesses (….). O Presidente Silva não colocou o interesse nacional acima da sua vaidade sendo a sua proposta de “compromisso de salvação nacional” um autêntico pagar de contas: entala o PS que lhe foi sempre hostil e dá uma estalada aos ingratos partidos da coligação.

(…) Chegou a hora da responsabilidade dos agentes políticos. As decisões que forem tomadas nos próximos dias irão condicionar o futuro dos Portugueses durante vários anos (…). O Presidente Silva actuou de forma incompetente: no tempo e na forma da solução proposta. Tempo atrasado, solução que não o é por criar novo e maior problema. Provavelmente ocorrerão eleições antecipadas não agora, como a oposição propôs, mas em meados de 2014. Qual a diferença? Nas dificuldades que se perfilam nenhuma, nomeadamente nas que figuram no discurso presidencial. É o adiar da situação.

(…) os Portugueses irão tirar as suas ilações quanto aos agentes políticos (…). O índice de popularidade do Presidente Silva já traduz ilações dos portugueses e a História (em nota de roda-pé) julgá-lo-á como merece.

(…) os Portugueses têm o direito de exigir que os agentes políticos saibam estar à altura desta hora de emergência nacional (…). Os partidos políticos que assinaram o “memorando” não têm estado à altura das dificuldades que o Estado atravessa e a “verdadeira esquerda” navega num mar irrealista. O Presidente, que só olha para o seu umbigo, tem "desactuado" de forma desatrosa. Ninguém esteve ou está à altura dos gravíssimos problemas com que o País se confronta. O Sr. Presidente Silva agiu como um homem de partido e não como um homem de estado.

(…) as forças políticas colocarão o interesse nacional acima dos seus interesses (…). Não é esta a realidade desde há muito tempo e não é por acaso que o cidadão tem tão má opinião dos agentes políticos . “São todos iguais”, como se ouve por todo o lado. O Sr. Presidente Silva não é excepção e deveria sê-la.  

A história pode resumir-se na seguinte sequência:

“remodelação governamental” com a demissão de Victor Gaspar (a qual não constituiu surpresa quer para o PM quer para o Presidente Silva) »»» “crise governamental” com a publicação da carta de Victor Gaspar e o irresponsável pedido de demissão de Paulo Portas (para todos inesperada, incluindo os órgãos do CDS) »»» “gravíssimo impasse político” criado pelas “medidas de salvação nacional” preconizadas pelo Presidente Silva.

Como barómetro desta sequência bastará ler não só as sequentes declarações de responsáveis da CE mas também analisar o seu paralelismo com a evolução das taxas de juro (yelds das OT a 10 Anos: 28 Junho, 6,46%; 4 Julho, 7,27%; 12 Julho 7,51%).

O Sr. Presidente Silva criou um “molho de bróculos” e não só está a extravasar as suas competências constitucionais como está a ser um agente desregulador do “regular funcionamento das instituições”.     

                                                          

Após o seu discurso e no dia do debate do estado da nação na Assembleia, o Sr. Presidente Silva comunicou dar uma semana para a conclusão das conversações entre os três partidos. Uma semana para o quase impossível! Terá eventualmente caído de uma cadeira, o que ninguém sabe com excepção da D. Maria.

                                              

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por alea às 13:00

A "brigada do reumático" e a crise governamental

Quarta-feira, 10.07.13

Em 14 de Março de 1974  o representante dos oficiais generais dos três ramos das forças armadas afirmava em discurso a Marcelo Caetano, que “a lealdade e a disciplina são atributos fundamentais que o militar não poderá deixar de manifestar nas suas relações hierárquicas. São princípios universais de ética militar que, vale repeti-lo, sempre deverão ter presentes(...) é também oportuno dizer a V. Ex.ª que estamos unidos, firmes e cumpriremos o nosso dever sempre e onde quer que lho exija o interesse nacional. (...)”.

A oposição democrática (vulgo "reviralho") carimbou aquelas altas patentes militares como “brigada do reumático”. Tratava-se, no entanto, de uma clara manifestação de subordinação dos militares ao poder político (axioma fundamental do nosso regime democrático).

Há militares porque há guerras. Quando elas são grandes são necessários muitos, quando não as há ou elas são pequenas são necessários poucos, incluindo generais cujo número em Portugal é injustificável, passados quase 40 anos do fim das guerras em África, e superior ao de outros países europeus.

 

                           

No princípio do corrente ano (a 22 de Fevereiro  “(...) dez antigos chefes de Estado-Maior dos três ramos das Forças Armadas participaram no jantar que juntou (...) mais de 200 oficiais na reserva e na reforma em Lisboa. Catalizadores desta iniciativa são o grande descontentamento e a resistência contra medidas de reforma (...) sob pressão da crise financeira. (...) Foram 10 os CEM presentes no jantar, que também juntou dezenas de oficiais no Porto. (...) O presidente da Associação 25 de Abril, realçou ao DN a importância de os CEM em funções falarem com as associações de militares, na medida em que estas permitem ter "um ambiente mais controlado e menos anárquico (...)". (por Manuel Carlos Freire, 22 fevereiro 2013, DN Política)

 http://www.dn.pt/politica/interior.aspx?content_id=3069934#sthash.Bq25VC8S.dpuf

De acordo com a agência Lusa (25 de Fevereiro) o Conselho de Chefes de Estado-Maior garante em comunicado que os chefes militares comprometem-se a assegurar a “serenidade, a coesão, a disciplina no sector”. Por outro lado, a Associação de Oficiais das Forças Armadas advertiu que, no que de si depender, os militares não serão um instrumento de repressão sobre os seus concidadãos.

Manifestação de interesses corporativos? De preocupação pelo bem-estar público e pela segurança do povo? De subordinação ao poder político? Que cada um responda e tire conclusões.

Por mim, fiquei esclarecido quanto à disciplina e, também, descansado por não correr o risco de sofrer repressão militar.

Poderá perguntar-se: como é que deveriam ter actuado? Bem, julgo que (aqui, sim) com sentido de estado, dando  exemplo de respeito pela hierarquia, agindo em conformidade com o princípio da subordinação ao poder político e não pondo em causa a autoridade de quem dependem directamente, nomeadamente os Chefes de Estado Maior (seus camaradas) e o Minitro da Defesa.

 

E, já agora, como apelidar aquele conjunto de altas patentes militares? “Brigada” seria um exagero de um ponto de vista estritamente militar mas história é história e o termo foi por ela consagrado. “Brigada”, portanto. Mas brigada de quê? “do controlo”? “do ambiente militar”? “da insubordinação”? “da ameaça”? “da arrogância”? “da serenidade”?

Não sei. O progresso da medecina nos últimos 40 anos foi fulgurante e a ele se devem consideráveis melhoramentos na prevenção e  tratamento do grupo de doenças que afectam as articulações, os músculos e o esqueleto.

 

”Brigada do reumático bis” definitivamente não.

Só publico hoje estes meus apontamentos, cuja oportunidade se perdeu, porque só hoje se proclama que o país está às avessas  com a “balbúrdia” que foi a “escandalosa”, “irresponsável”, “caricata”,  “eteceteretal” crise governamental. Concordo, foi o resultado da má qualidade política dos actuais governantes.

As manifestações de funcionários públicos e de professores, as greves gerais e sectoriais que varreram recentemente o país são, elas sim, legítimas e não ofensivas de qualquer hierarquia e são, também e quer se queira ou não, um direito constitucional, sendo, no entanto, criticadas por certos sectores.

Aquela manifestação de chefias militares demonstrou que a impunidade não é regalia de poderosos e de políticos. É deles também e para eles não houve crítica ou qualquer sanção, ouviram-se mesmo aplausos claramente partidários e sem qualquer “sentido de estado”.

O País está às avessas pelo menos desde 22 de Fevereiro de 2013.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por alea às 11:59

Durão Barroso e Estaline

Quarta-feira, 03.07.13

Como docente convidado do Instituto Superior Técnico, durante mais de dez anos, tive milhares de alunos, sem exagero. Tenho saudades daqueles tempos em que a esses alunos dedicava toda a minha atenção, toda a minha exigência, todo o meu rigor e, também, amizade.

Eram 35h semanais? 40h? Não. Foram certamente menos porque acumulava aquela função com a de engenheiro numa empresa privada. Mas foi assunto que nunca me preocupou, eram as que deveriam ser para uma correcta e, se possivel, sem falhas transmissão do conhecimento e de uma experiência real. Digo real porque as restantes horas semanais (num conjunto superior a esse número imbecil de 40 - objecto de disputa e de negociação entre o governo e as estruturas sindicais -) eram utilizadas no projecto de estruturas reais (não teóricas).

 

                                    

Segui sempre o conselho que um dos meus mestres me deu depois da minha licenciatura: “Agora você tem licença para continuar a estudar sózinho. Continue a estudar”. Foi o que fiz durante toda a minha muito feliz vida profissional, contrariando o dito popular “quem sabe faz, quen não sabe ensina”.Ensinava os meus alunos a aprender e sabia e os meus alunos sabiam que eu sabia.

Muitas histórias poderia contar sobre essa relação com os meus alunos que tão gratas recordações me deixou, mas vou apenas transmitir uma constatação que esse relacionamento revelou: entre os bons alunos houve uns de 17/18 e outros de 13/15. Os alunos médios/bons tornaram-se, em significativa percentagem, muito bons profissionais do projecto ou da construção, mas os muito bons alunos raramente se revelaram “engenheiros com mão certa e conhecedora”. Tiraram mestrados e doutoramentos e dedicaram-se à investigação ou ao ensino.

O que hoje em dia me choca é ver alguns sem experiência digna desse nome ensinarem.

Como é possível? Será que basta ser um crânio, escrever centenas de artigos, achar que nada pode aprender com um pedreiro ou um carpinteiro, ignorar por o achar objecto indigno um balde de cimento, nunca ter visto uma talocha ou uma colher de pedreiro, nunca ter tocado numa tábua de cofragem, nunca ter ido a uma obra, ser um doutor na teoria das estruturas mas um pequeno aprendiz na experiência? Acho que não.


O mesmo acontece na política: os governantes de amanhã (de hoje) começaram, em geral, nas juventudes partidárias (do PCP ao CDS) onde, primeiro, aprenderam os truques e golpes partidários e a oratória parlamentar e, depois, quando eram jeitosos para a coisa, dedicaram-se a conhecer a máquina do seu partido e, sobretudo, a como dominá-la.

Foi o caso de Guterres - excelente aluno do IST que pouco ou nunca praticou engenharia -,  de Sócrates - criatura com bacharelato, licenciatura no limite da fraude e, hoje, “estudante” de uma das mais prestigiadas escolas superiores francesas, as denominadas “Grandes Écoles” – (como foi isso posível, meu Deus!), de Coelho, de Seguro. Óptimos ou medíocres na teoria do que conseguiram estudar mas péssimos na prática política por falta de experiência.

Hoje, os nossos governantes não passam, na sua maioria, de miúdos, de imaturos ou de iluminados doutores a que Portugal, para sua desgraça, está entregue. (Ontem, depois de Gaspar, o Paulo bateu com as portas, Cavaco deu, mesmo assim, posse à Maria Luís e o Coelho declarou: “Eu, fico”. Patético, surrealista e muito mau para Portugal)

Por vezes há uns que sobem muito alto na roda mundial. Guterres é um exemplo pela positiva e Barroso pela negativa. Uns, como o primeiro, mantiveram as suas escolhas políticas de estudantes, outros (e o seu número na política não é irrelevante) mudaram 180º (sempre para a direita...), como o último.

Durão Barroso foi presidente do PSD, primeiro-ministro e é actualmente presidente da Comissão Europeia sendo, também, um putativo candidato presidencial.

Olhem p´ra ele antes e depois:


Nos tempos do PREC era do MRPP (de onde foi expulso). Foi-me enviado um texto alegadamente da sua autoria que aqui transcrevo com as reservas que daquele facto decorrem:

"As obras teóricas do grande Estaline são contribuições valiosas. Por elas estudaram e estudam o marxismo-leninismo milhões de operários em todo o Mundo. Com elas o Partido Comunista da China e o Partido do Trabalho da Albânia educaram os seus quadros, com elas formaram milhares de bolcheviques na União Soviética. (...). O camarada Estaline está demasiado vivo nos corações de todos os explorados e oprimidos do mundo inteiro para que oportunista algum o possa fazer esquecer. A vida, a obra, a atividade do grande Estaline pertencem aos Comunistas de todo o mundo e não apenas aos soviéticos, pertencem à classe operária e não apenas ao povo da URSS.

Na pátria do Socialismo, a União Soviética, o Socialismo vencerá, uma nova revolução surgirá tarde ou cedo. Os autênticos comunistas soviéticos já se organizaram e, juntamente com a classe operária e o povo da URSS, erguerão bem alto a bandeira vermelha de Estaline, instaurando de novo o poder proletário.

Força alguma o poderá evitar. QUE VIVA ESTALINE!"

 

Não me digam que não é uma lindeza (o texto, não o cartaz).

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por alea às 17:07






links

Blog

  • www.metralhada.blogspot.com


comentários recentes

  • Anónimo

    Almada Negreiros sabia-o bem.Dos não presos há um ...

  • Eurico Ribeiro

    Uma remontagem das revoluções muito tradicionais e...

  • Tudo Mesmo

    Cá para mim, eles nunca contaram ficar muito tempo...

  • Tudo Mesmo

    À semelhança da maioria dos divórcios: um fica com...

  • alea

    100% de acordo.

  • alea

    Percebo a sua posição e concordo com a tese se for...

  • O ultimo fecha a porta

    Falei sobre isso ontem e tb refleti sobre o que is...

  • Marta Elle

    É estranho eles serem assim tão tumultuosos nas ma...

  • Alexandre Júlio

    O Prof. José Hermano Saraiva contou a história do ...

  • José Valdez

    https://casarealdebraganca.wixsite.com/reifazdecon...




subscrever feeds