Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Na nuvem do acaso

Quase nada de um pouco de tudo.



Sexta-feira, 12.05.17

Portela-Mais-Um.

O adiamento da construção do Novo Aeroporto de Lisboa (NAL) ressuscita a questão de o manter associado a mais um.

A solução "Portela+1" através da adaptação e consequente utilização da actual base aérea do Montijo será uma errada decisão política que a técnica dificilmente avaliza mas que a actual frágil situação económica nacional parece justificar: não há dinheiro para uma solução sólida e de longo prazo.

Contrariamente ao que se poderá pensar, o problema da Portela (com 75 anos de idade -1942), dada a importância que tem, não foi descurado nos muitos estudos realizados até à data.

Trata-se de expandir, ou de manter ou não, um aeroporto no interior da cidade, actualmente com um tráfego que se estima atingirá os 19 milhões de passageiros em 2017 e “interdito” no período nocturno, de modo a permitir o descanso de milhares de lisboetas (em 2010 menos de 5-6 movimentos por hora, das 22h às 6h da madrugada).

Para um esclarecimento do problema basta ler o estudo de 1982 da TAMS. Este consultor concluiu que uma expansão só deve constituir uma solução provisória e não recomenda uma “Dual Airport Operation”, ou seja, um “Portela+1".

Poderá argumentar-se que passados 35 anos as circunstâncias mudaram. É verdade, mas só no número de passageiros anuais e no número de movimentos diários. Estes números aumentaram muito para além das previsões.

Veja-se, então, a que conclusão chegou quase 20 anos depois, em 1999, outro grande consultor, os Aéroports de Paris (ADP), “para que não fosse descurada nenhuma solução”.

Considerando as experiências de outras cidades europeias e a correspondência demasiado importante entre os tráfegos doméstico e internacional, a divisão do tráfego entre dois aeroportos não é recomendada, devendo efectuar-se uma imediata a transferência da Portela para o NAL. No que respeita à expansão, os ADP — sublinhando as expropriações necessárias, o realojamento de milhares de pessoas, a segurança da cidade e os níveis de ruído nos bairros do norte de Lisboa — consideram que a “SuperPortela” tem impactes ambientais elevadíssimos e que a sua capacidade de expansão não é compatível com a procura previsível: em 2020 a “SuperPortela” ficaria saturada.

De acordo com aqueles estudos a hipótese da Portela sofre, pois, no cenário “mais-um” dos males de um insuficiente tráfego global, de uma desajustada correspondência entre os voos doméstico e internacional e de um mau binómio custo-benefício. No cenário de “ampliação”, não existe suficiente capacidade de expansão e os impactes ambientais são incomportáveis, nomeadamente nos domínios da segurança da cidade e do ruído nas freguesias limítrofes.

Naquele mesmo ano de 1999, a NAER ponderou o diferimento do NAL através da expansão da Portela. No seu relatório é feita uma análise detalhada de todos os factores que caracterizam o problema e conclui-se que uma expansão da Portela não constitui uma solução para o futuro.

Em Abril de 2004, a Parsons, numa estratégia de desenvolvimento da capacidade do aeroporto da Portela, volta a analisar as alternativas possíveis e chega a idênticas conclusões.

Como se verifica, falta de estudos é que não houve (TAMS, ADP, ANA, Parsons) e todos eles apontam, em 1982, 1999 e 2004 para a mesma conclusão: a necessidade de um novo aeroporto para Lisboa, não sendo a Portela solução, mesmo no médio prazo.

Hoje, ignorando aqueles estudos ou encomendando a outros a conclusão que parece ser a conveniente (para a valorização especulativa dos terrenos do Montijo, certamente) é defendida a manutenção da Portela, continuando alguns a referir os efeitos desfavoráveis de um novo aeroporto “fora” de Lisboa, nomeadamente os prejuízos à sua economia e ao seu turismo.

Paris, cidade turística por excelência, tem um a 15 km e outro a 25 km e os novos de Atenas e de Oslo estão a 25 km e a 47 km, números, aliás, com pouco significado, porque o factor a ter em conta é o tempo, é a qualidade das acessibilidades.

Tudo indica não ser justificável uma reanálise da Portela, quer na versão “mais-um”, quer na “ilusão” (como é qualificado pelos ADP) de uma sua ampliação. Todos os consultores que analisaram a questão não têm dúvidas quanto a estas questões e, feitos os estudos necessários, a repetida insistência só poderá resultar de conveniência ou de afirmados interesses regionais.

Estranhamente apareceu, como de uma varinha mágica, uma outra empresa, a "Roland Berger", que após estudo, não público e não acessível ao comum dos mortais, chega a conclusão diferente dos seus quatro anteriores pares.

A conclusão estudada e repetida ao fim de 29 anos de estudos (que custaram ao contribuinte uma fortuna e que, por terem sido ignorados, conduziram a outra fortuna em obras de remodelação e ampliação da Portela) é aparentemente errada existindo, afinal outra: a Portela associada a outro aeroporto.

Como é possível esta mudança de opinião? É possível, tal como há dez anos outra conceituada empresa, a Parsons, jurava que um aeroporto na "planície" da Ota era a melhor solução.

A política maneja a técnica, quando deveria ser a técnica a orientar a decisão política.

Qual a solução, então? A que todos os consultores recomendaram, com mais ou menos diferenças, ao longo de quase 30 anos: a desactivação gradual e faseada do aeroporto da Portela e a construção, também faseada, de um novo aeroporto que permita no longo prazo uma eventual necessária expansão.

O "Mais-Um" no Montijo? Do pouco conhecimento que se tem, podem adiantar-se alguns pontos fracos:

- Implicação com áreas militares.

- Implicação severa com rotas de migração de aves e proximidade da Reserva Natural do Estuário do Tejo das quais resultam riscos de colisão com aves.

- Necessidade de drenagem profunda para protecção dos pavimentos.

- Impossibilidade de aproveitamento das duas pistas existentes, sendo apenas possível o aproveitamento de uma das duas, a principal Este/Oeste (08/26).

- Demolição das construções da BA 6 para a construção de uma 2ª pista.

- Inviabilidade de construção de uma 3ª pista dada a proximidade da Pt. Vasco da Gama.

- Inviabilidade de acessibilidade por combóio.

Para além destes inconvenientes e admitindo a bondade da solução "Montijo" (que o futuro revelará tratar-se de uma solução provisória sem qualquer hipótese de correcção pela impossibilidade de uma sua expansão) existe algum estudo que compare os seus custos com os de uma construção faseada de um novo aeroporto para Lisboa (em Alcochete, por exemplo)?

Se tudo deve ser cabalmente esclarecido, para que uma decisão não suscite reservas por falta de avaliação séria e honesta de cenários pertinentes, nada deve ser repetido por economia de tempo e de dinheiros e a verdade demonstrada é que as insuficiências da Portela não têm cura mesmo com "mais 1".

Portela.jpg

O aeroporto internacional de Lisboa está aqui, mesmo no meio de uma zona altamente povoada e com importantes circulações rodoviárias à sua volta...

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por alea às 17:52



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Maio 2017

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031


Links

Blog

  • www.metralhada.blogspot.com