Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Na nuvem do acaso

Quase nada de um pouco de tudo.



Segunda-feira, 05.12.16

Os pategos

“Pouco evoluído, ignorante, grosseiro”.

Na recepção de Felipe VI na Assembleia da República Portuguesa e após o seu impecável e amigo discurso, os grupos parlamentares do PS, PSD e CDS levantaram-se e aplaudiram, o PCP e o seu apêndice PEV levantaram-se - julga-se pelo respeito institucional que o chefe do estado espanhol lhes merece - mas não aplaudiram, tal como o partido dos animais e natureza (PAN), o que se compreende dada a sua condição representativa dos animais. O Bloco de Esquerda não só não aplaudiu como se manteve sentado, numa manifestação de má educação na sua ilusória convicção que é uma elite representativa da esquerda quando não passam de pindéricos políticos. Houve até um João Soeiro que não achou melhor do que copiar o “Podemos” espanhol e vestir provocatoriamente uma “camiseta” com as cores da bandeira da 2ª República Espanhola (1931-1939). Elogiar FIdel e o seu regime ditatorial e ser grosseiro para com a monarquia espanhola, livremente escolhida pelo povo e a que a democracia muito deve, é boçal.

bandeira republica.jpg

Essa boçalidade quere-se "intelectualóide" com a “explicação” de um responsável daquele partido “O BE (…) não naturaliza (?) relações de poder com base em relações de sangue (?) e não em actos democráticos (?)”. No mínimo uma afirmação “cabalística” incompreensível para o comum dos cidadãos votantes. A reter.

Escassos dias depois, celebra-se na Praça dos Restauradores os 377 anos da restauração da independência de Portugal.

Uma das primeiras decisões da República, em 1910, foi instituir a data como feriado nacional considerando-a como popular e patriótica. Esta decisão foi revogada cerca de 100 anos depois pelo governo PSD/CDS do Pedro Coelho (2011-2015) com a justificação de a redução do número de feriados ser necessária para o aumento da produtividade (a Alemanha tem um número de feriados superior aos de Portugal).

Joao_IV_proclaimed_king.jpg

Pois bem, na cerimónia deste ano o PSD esteve ausente.

Completamente ausente, nem mesmo um secretário de uma qualquer concelhia. O PSD,  ou seja Coelho e Cia, ex-membros do governo, parlamentares, etc, entrou em birra, bateu o pé por se considerar desconsiderado (o que muito assustou todos) e não se fez representar. Conclusão? Há muitos pategos. Uns mal educados, outros birrentos.  

Fidel morreu.

De início, só elogios ou silêncios da “intelectualidade e bem pensantes da praça”.

Depois, a "coragem" de alguns poucos disparou a verdade: um regime ditatorial que fuzilou no imediato mais de 1.000 opositores e ao longo da sua vigência mais de 100.000, dizem. Prisões políticas e a limitação de liberdades fundamentais, ruína da economia embora com notáveis progressos nos domínios da saúde e da educação. Responsável pela crise dos misséis (1962) no limite da guerra nuclear. Uma ditadura na sua mais clara forma contaminando, com mais ou menos sucesso, governos de países da América latina e alimentando sangrentas guerrilhas.

Um sedutor? Sem dúvida. Recebendo Gina Lollobridgida, ao pedido dela para abrir as fronteiras e deixar saír quem quisesse ter-lhe-ia retorquido “sua marota, o que quer é ficar sózinha comigo…”.

Mas, o que interessa, para além do sincero aplauso que lhe foi dado no XX Congresso do PCP, foi a quase total pusilanimidade dos jornalistas e políticos pategos de cá.

Conclusão? Pategos a elogiar o que receiam criticar.

fidel_castro.jpg

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por alea às 10:58



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Dezembro 2016

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031


Links

Blog

  • www.metralhada.blogspot.com