Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Na nuvem do acaso

Quase nada de um pouco de tudo.



Terça-feira, 05.08.14

"Hermanos"?

                           

A visita de Filipe VI de Espanha - nome que só pode criar simpatias aos portugueses historicamente incultos ou que tenham memória curta, esquecendo-se que só com o quarto daquele nome terminou a desgraça do Portugal, espoliado pelos reis filipinos do seu império na Ásia e não só… – suscitou muitos comentários que sublinhavam a natureza fraterna dos dois estados (não digo “nações” porque nós por cá só temos uma e por lá há muitas e muitas que reivindicam autonomia alargada e mesmo independência).                                           

Bourbon é a dinastia que reina em Espanha apenas desde apenas 1700 com a ascensão ao trono de Filipe V (sucessor do rei espanhol Carlos II), neto do rei Luís XVI de França cujo pai era Filipe duque de Anjou filho do irmão do “Rei Sol”.

A casa real espanhola é, pois, recente, de origem francesa e utiliza o castelhano há relativamente pouco tempo (cerca de trezentos anos) quando comparado com a longevidade dos reinos de Leão e Castela que remontam ao século XI, aliás, como é o caso da antiquíssima monarquia portuguesa.

Embora republicano não deixo, no entanto, de ter muito orgulho pela ascendência do actual pretendente ao trono de Portugal que vem da casa de Borgonha desde o conde D. Henrique de Borgonha (1066-1112), pai do 1º rei de Portugal D. Afonso Henriques.

Por cá nunca houve rei que não fosse genuinamente português.

Poucas casas reais europeias se podem gabar de igual antiguidade e de ascendência de natureza semelhante.

Assim, a casa real britânica tem a sua actual realeza de ascendência germânica (da casa de Hanôver que substituiu a casa de Stuart em 1714), a casa real sueca descende de um marechal (ex-sargento) de Napoleão, Jean-Marie Bernadotte, que reinou sob o nome de Carlos IV, a Holanda surge como reino apenas com o fim da guerra dos oitenta anos (século XVI) e a sua independência da Espanha. e a casa real dinamarquesa é excepção, constituindo, porventura, a casa real mais antiga da Europa (917, com o rei Canuto I).

São apenas resumidos exemplos.

Espanha  foi criação de Isabel “a Católica” (1451-1504), após a expulsão dos muçulmanos de Granada.

O seu neto Carlos V tratou da reunificação do território, colocando sob a mesma coroa para além dos reinos de Leão e Castela e de Aragão (Fernando rei de Aragão era o marido de Isabel de Castela), os de Granada, Catalunha e Navarra. Depois, Filipe II tratou de ficar com Portugal.

Nos tempos de hoje as denominada províncias espanholas são claramente contestatárias àquela unificação, em maior ou menor grau e com particularidades próprias, nomeadamente a Catalunha, o País Basco, a Galiza (esta última cuja língua própria – que faz parte da língua galaico portuguesa - foi inexorável, planeada e paulatinamente “apagada” pelo generalíssimo Franco quando chegou ao poder). A ignorância dos media é, neste domínio como em tantos outros, confrangedora, chegando a afirmar que não, que não, que o país irmão de Portugal é a Espanha e não o Brasil!

Ouvi isto dito por um desses “pivots” de uma dessas cultas televisões. Ó meu Deus, com tanto desemprego que há por aí porque é que não despedem esses “agentes da cultura” e não contratam um competente desempregado?!

Poderão argumentar que esta antipatia é coisa do passado, dos tempos de Aljubarrota, do ódio que Fernão de Magalhães sofreu dos comandantes e tripulações das naus exclusivamente castelhanas cujo comando Carlos V confiou ao português (a quem Fernão de Magalhães prestou lealmente vassalagem, conforme os costumes da época, e que por isso foi perseguido ao longo da sua viagem de circum-navegação pelas naus portuguesas a mando do rancoroso “merceeiro” rei D. Manuel) e da invasão do Duque de Alba na guerra com D. António de Portugal, Prior do Crato, filho legitimado do príncipe D. Luís, irmão do cardeal-rei D. Henrique.

 

Por morte de D. Sebastião, os candidatos ao Trono de Portugal eram:- D. António Prior do Crato, filho bastardo  de D. Luís, filho de D. Manuel, e que por aquela razão foi afastado pela nobreza da linha da sucessão;- O Cardeal D. Henrique , filho de D. Manuel I;- Catarina, Duquesa de Bragança (filha mais nova de D. Duarte, neta de d. Manuel I);- Rainúncio I Farnésio, Duque de Parma (neto de D. Duarte, filho mais novo de D. Manuel I);- Filipe II de Espanha (filho de D. Isabel, filha de D. Manuel I), o qual a troco de ouro subornou quem o poderia nomear;- Emanuel Felisberto de Sabóia (filho de D. Beatriz, filha de D. Manuel I);- João, Duque de Bragança (marido de D. Catarina, bisneto de D. Isabel, irmã de D. Manuel I). Em Santarém o povo aclamou D. António como Rei de Portugal. Este, surpreendido, precavia-se contra a revolta da nobreza e do clero pedindo para limitarem a aclamação a apenas Regedor e Defensor do Reino. A situação era melindrosa, já que se antecipava à decisão dos governadores nomeados pelo cardeal D. Henrique que tinham por missão designar o herdeiro da coroa. A 24 de Julho seria coroado e governaria o continente durante cerca de vinte dias, até ser derrotado pelos exércitos do Duque de Alba que a mando de Filipe II de Espanha invadiu Portugal. Passaria a governar o país a partir da Ilha Terceira nos Açores até perder a batalha naval de Vila Franca ao largo da Ilha de S. Miguel em Julho de 1582. A resistência popular à ocupação castelhana, corporizada por D. António durou, assim, mais de dois anos.

 

(“Que o cardeal-rei D. Henrique fique no Inferno muitos anos por ter deixado em testamento Portugal aos castelhanos” – Quadra popular).

 

Pois, coisas de um longínquo passado se nos esquecermos da muito recente tese do caudilho Franco no início da 2ª Guerra Mundial “Ocupação de Lisboa e da costa portuguesa”. (http://www.publico.pt/temas/jornal/decidi-preparar-a-invasao-de-portugal-18069506).

Também Franco, quando cadete da Academia Militar de Saragoça, elaborou uma tese: “Conquistar Portugal em 28 dias”.

Mas para o historiador Fernando Rosas, tal como o "perigo espanhol" é "uma ideia sempre presente no nosso imaginário", a anexação de Portugal é uma constante na cultura da elite espanhola, desejosa de "corrigir os lapsos que, nos séculos XIV e XVII, tinham permitido a independência de Portugal".

                                          

 

“Hermanos”? Vou ali e já volto.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por alea às 13:15



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Agosto 2014

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31


Links

Blog

  • www.metralhada.blogspot.com