Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Na nuvem do acaso

Quase nada de um pouco de tudo.



Quarta-feira, 01.04.15

Filhosdaputing

 
 

uninthenews.jpg

Assisti estupefacto a quase todas as audições da Comissão Parlamentar de Inquérito sobre o caso da falência do GES e da resolução do que foi um dos maiores bancos portugueses, o BES.
Este banco era, segundo os nossos governantes (Presidente da República inclusivé), uma instituição sólida e que merecia a confiança dos portugueses. Foi o que foi: uma desgraça para mais de 2.500 pequenos e médios depositantes que no seu conjunto foram roubados num total de cerca de 600 milhões de euros.
Assisti esta semana a uma reportagem da TVI que entrevistava alguns. Fiquei revoltado e de coração apertado com a situação dos idosos entrevistados que perderam as economias de uma vida e não têm dinheiro para comer, para dormir, enfim para viver.
Por outro lado, ouvi da boca dos inquiridos na Comissão, que não são responsáveis de nada, que não sabiam de nada, que não se lembravam de nada, mas que talvez fulano ou sicrano saibam, se lembrem. Incomensurável falta de vergonha, própria de garotos sentados na retrete.
Ouvi também muita coisa que não percebi por serem neologismos ou nem isso numa linguagem anglosaxónica pretensamente culta e superiormente conhecedora dos “mistérios” e das jogadas financeiras. Houve um palerma (que chegou a ser considerado um grande gestor e inclusivamente formalmente considerado como tal por uma universidade portuguesa) que usou e abusou, com um sorriso imbecil, do tal palavreado.
Tive vontade de tomar nota ou de gravar as debitadas cabalísticas expressões mas confesso que não aguentei a totalidade daquelas infindáveis perguntas e respostas. Estava no meio daquelas intermináveis horas demasiadamente cansado. Mas houve quem as memorizasse e fizesse delas o maravilhoso texto que abaixo reproduzo.
“Tenho andado preocupado com esta situação do BES/GES e as acusações dos lesados de que desconheciam o que estavam a comprar.
Ora bem, estive a ouvir com toda a atenção Ricardo Salgado, Zeinal Bava, Costa (do BP), CMVM, etc, e, sinceramente, fiquei esclarecido.
Fiquei a saber que houve uma take over sobre a PT, o que provocou um dawnsizing na empresa e impediu o advanced freight.
Sendo assim, o asset allocation baseado num appraial report, que é o allotment indicado, provocou um average price muito baixo, reduzindoos back to back ao mínimo.
Ora, o bid price provocou um dumping e uma floating rate incomportável com o funding previsto pelos supervisores.
Deixou, pois de existir uma verdadeira hedge, o que levou ao levantamento de hard cash em grande quantidade.
Se considerarmos que o ICVM, ao fim do período estava a deteriorar-se e os pay-out continuavam a baixar, a única solução seria o payabre to the bearer de eventuais incomes da empresa.
Voltando um pouco atrás, o pool entre Bes e GES, fez diminuir drasticamente o portfólio dos clientes, levando inevitavelmente a um revolving credit que abrangeu a maioria dos shareholders de ambas as empresas.
Como é evidente o pricecut da Rio Forte foi inevitável e a take over sobre a mesma também.
O gross profit baixou significativamente, aumentando o grade period e o bank rate.
Só para terminar e em jeito de conclusão creio que estamos perante uma grande quantidade de fillhosdaputing, que utilizando a corrupting ao nível central e local, foram delapidanding os recursos do país e continuam em casa riding da situação, deslocando-se de vez em quanding à Assembleia, fazer de parving os deputados e o poving em geral.
Tenho dito.”
Parabéns ao desconhecido autor destas linhas que as publicou numa rede social muito na moda.
E parabéns aos deputados da Comissão Parlamentar de Inquérito, em particular ao Sr. Presidente da Comissão o Sr. Dr. Fernando Negrão pelo modo superior como dirigiu os trabalhos e, também, à Sr.ª deputada  Mariana Mortágua pela sua excelente, educada, mordaz e muito competente participação.Quanto aos inquiridos presumivelmente cúmplices de fraude já estariam atráz de grades se a nossa justiça fosse eficaz e rápida como nos EUA (o burlão Sr. Madoff apanhou 150 anos de cadeia apenas 6 meses após ter sido denuciado).

unEinstine_n_Women.JPG

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por alea às 19:41


1 comentário

De alea a 17.04.2015 às 08:12

Recebi um comentário de um desconhecido lisboeta que me acusa de "pelágio" (sic), ou seja de “marinheiro, abismo,fundo,oceânico,fundo do mar”. O que não entendo. Admiti que seria “plágio”. Ora e se assim for, um leitor atento e, sobretudo, que não seja ignorante, não pode ignorar o início do texto "Mas houve quem as memorizasse e fizesse delas o maravilhoso texto que abaixo reproduzo.", a letra do texto em itálico, as aspas que limitam o texto e, finalmente, o final do texto: "Parabéns ao desconhecido autor destas linhas (...)". Não é plágio é a transcrição de um escrito de autor desconhecido, como é claramente declarado no blog, e que entendi divulgar pela sua graça e ironia. Alíás, todos os blogs que publico têm a autoria de textos que não meus (quando conhecida) claramente identificada, incluindo as imagens. Quando tal não é possível, tal facto é claramente referido como é o caso.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Abril 2015

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930


Links

Blog

  • www.metralhada.blogspot.com