Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Na nuvem do acaso

Quase nada de um pouco de tudo.



Quinta-feira, 24.07.14

D. Pedro I e D. Inês de Castro

 
 

D. Pedro (ruivo e gago) foi como rei (penúltimo da dinastia de Borgonha) bom administrador, corajoso nas suas relações com o Papa, conflituoso com o clero, amado pelo povo (com quem gostava de festejar, cantando e dançando com ele), temido pela nobreza, justo mas cruel na aplicação da justiça (mais algoz do que juiz). Os seus dez anos de reinado foram marcados pela prosperidade financeira e pela ausência de guerras.

“…que taes dez annos nunca houve em Portugal como estes que reinava el rei Dom Pedro…”.

Inês de Castro era neta de Fernando Henriques de Castro casado com Violante Sanches filha bastarda de D. Sancho IV rei de Leão e Castela e era, portanto, bisneta de Sancho IV rei de Leão e Castela.

Da sua ligação com D. Pedro I de Portugal teve quatro filhos:

Afonso (morto muito novo), Beatriz, D. João, duque de Valência de Campos e pretendente ao trono durante a crise de 1383-1385 e D. Diniz, senhor de Cifuentes e igualmente pretendente ao trono de Portugal.

Em Junho de 1360, três anos depois de ser proclamado rei, Pedro legitimou, por juramento prestado na igreja de Cantanhede, os filhos tidos com Inês, declarando ter-se casado secretamente com ela em 1354 por cerimónia religiosa celebrada por D. Gil futuro bispo de Bragança (Declaração de Cantanhede).

A filha D. Beatriz, condessa de Albuquerque, casou com o irmão de Henrique II rei de Leão e Castela.

O filho mais velho D. João gozava do favor do seu meio-irmão o rei D. Fernando I e de grande popularidade junto do povo e da alta nobreza. Casou com Maria Teles, irmã da rainha Leonor de Teles, a qual assassinou tendo que fugir para Castela. Aqui, defendeu os seus direitos à coroa portuguesa através do Partido Legitimista-Nacionalista. Perdeu em cortes a favor do futuro D. João I (Partido Nacionalista). Morreu em 1387 em Salamanca.

O filho mais novo D. Diniz, foi banido da corte por se ter recusado a beijar a mão à sua cunhada a rainha Leonor de Teles tendo entrado ao serviço de Castela. Mais tarde, o rei D. João I encarregou-o de uma missão em Inglaterra a qual se transformou numa estadia forçada. Conseguiu fugir e chegado a Castela, após uma estadia em Navarra, casou com Joana Henriques filha bastarda de Henrique II da qual teve dois filhos. Após a morte do rei D. João I de Castela é aclamado rei de Portugal com o apoio de nobres portugueses exilados e com o beneplácito da sua sobrinha D. Beatriz que nele renuncia aos seus direitos ao trono de Portugal. Invade a Beira, é derrotado e retorna a Castela. O seu corpo encontra-se sepultado em Cáceres no Mosteiro de N.S.ª da Guadalupe.

Analisem-se as seguintes árvores genealógicas das casa de Leão e Castela e de Portugal:

 

Os casamentos consanguíneos são a regra, “sangue novo” não há. Foi necessária a proclamação de D. João I como rei para que tal anomalia parasse. Com o seu casamento com Filipa de Lencastre tudo mudou, as aberrações (de que D. Pedro é exemplo) pararam, infelizmente por pouco tempo, dando origem à “ínclita geração”. Depois, resultou um D. Sebastião do lado de Portugal e um D. Carlos do lado de Espanha…

PS: Nas cortes de Coimbra (1385 ) defrontaram-se três Partidos: O Legitimista que apoiava D. Beatriz, filha de D. Fernando I, o Legitimista-Nacionalista, que apoiava D. João filho de Inês de Castro e o Nacionalista que apoiava D. João I, outro bastardo de D. Pedro I e de D. Teresa Lourenço a qual, dizem, integrava o séquito de Inês de Castro..

 
 
 
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por alea às 23:36



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Julho 2014

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031


Links

Blog

  • www.metralhada.blogspot.com