Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Na nuvem do acaso

Quase nada de um pouco de tudo.



Sábado, 18.07.15

Assim "oxi".

 
 

dislike.jpg

Neste local aplaudiu-se a decisão do Sr. Alexis Tsipras de enfrentar a prepotência do governo alemão que se considera dono da União Europeia invocando tratados, como, por exemplo, o “Tratado Orçamental”, que nada têm a ver com os órgãos e princípios constitucionais da U.E.
Aqui também se louvou a decisão do actual governo grego em referendar, ou seja em dar a voz ao povo, aquilo que tinha sido imposto por um “Eurogrupo” (outra aberração no que diz respeito às instituições que dirigem a U.E.).
Ñão devemos esquecer que a U.E. foi criada sem consulta aos seus povos excluindo escassíssimas excepções como as da França, da Dinamarca e da Irlanda.
Estranho e caricato foi que as reuniões daquele “grupelho” tenham sido interrompidas, hora sim hora não, para reuniões laterais entre o governo grego e os responsáveis alemães e franceses. Depois das “conversações” a reunião do “grupelho” continuava. Espantoso mas muito significativo.
Mas há um facto que não pode ser escamoteado:
O Sr. Tsipras não teve em conta, quando interrompeu a reunião e anunciou a convocação de referendo, as conclusões de um estudo encomendado meses antes pelo seu partido Syrisa sobre as consequências de uma saída do euro e um regresso ao dracma. O resultado seria catastrófico e foi este senhor que invocou no parlamento grego a catástrofe para dar o “nai pelo oxi dito” e fazer aprovar condições muito mais gravosas do que as que conduziram poucos dias antes ao referendo por ele declarado! A invocação de chantagem (facto gravíssimo numa União de Estados) e a afirmação de não concordar com as condições impostas para a concessão de um terceiro resgate não justificam a reviravolta “tsiperiana”.
Irresponsabilidade, total inexperiência política, leviandade? O facto incontornável e indesculpável é que o Sr. Tsipras marcou um referendo, na respectiva campanha discursou ao seu povo apelando ao “oxi” para poucos dias depois defender no parlamento o “nai”.
Tsipras mentiu e enganou o seu povo.
Por outro lado, o discurso no parlamento do ex-ministro das finanças Varoufakis na sua declaração de voto (um “não” ao acordo) é muitíssimo relevante ao comparar a situação da Grécia à da Alemanha no final da guerra de 14-18: uma estúpida imposição e uma completamente desnecessária humilhação que conduziu trinta anos depois a uma catástrofe com a destruição de países, de património e milhões de mortos.
Para além da chantagem invocada por Tsipras, esta humilhação é também gravíssima, inesquecível e não augura nada de bom para o projecto europeu.
Adeus União Europeia.
A gravíssima situação económica e financeira da Grécia conduzirá muito provavelmente e no médio-curto prazo à sua saída da zona Euro. A reestruturação da dívida? Esta hipótese considerada ontem aberrante é hoje avançada claramente pelo FMI e pelo BCE embora, como seria de esperar, rejeitada pelo beneficiário das medidas de austeridade: o “boss” alemão.
Na sua última entrevista o Passos Rabbit voltou a manipular a estatística e a manifestar a sua confiança nos bons e sólidos (?) resultados das medidas de austeridade que o seu governo implementou. Uns dias antes teve o orgulho de afirmar que o acordo entre a Grécia e o “grupelho” do Eurogrupo se deveu a uma sua divinamente inspirada sugestão (presunção e água benta cada um toma a que quer) quando, de facto, se veio a descobrir que a ideia foi de Mark Rutte, primeiro-ministro holandês.
http://www.dn.pt/inicio/economia/interior.aspx?content_id=4686020&seccao=Dinheiro%20Vivo
Passos Coelho voltou a mentir.
Que seria de Portugal, da Grécia, da Alemanha, da França, sem o pinóquio do Passos Rabbit?
Hoje estamos, nós e não só a Grécia, como sempre infelizmente estivemos e estaremos: pobres, dependentes de terceiros e à beira do abismo. A Grécia foi por ele engolida.
Será que o glorioso líder e arguto político Passos Rabbit conseguirá convencer os britânicos a permanecerem na U.E. ou, após o referendo, haverá um “Britexit”?

Thumbs-down-dislike-unlike-icon.jpg

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por alea às 10:08


1 comentário

De Lenha para a fogueira a 18.07.2015 às 19:39

http://www.levif.be/actualite/international/la-grece-n-est-pas-sortie-de-l-auberge-et-l-euro-non-plus/article-opinion-405751.html
"..... O que se exige à Grécia é ainda pior do que o que o povo grego esmagadoramente rejeitou em referendo. Estamos, portanto, a testemunhar a negação por excelência da vontade popular. Essa negação vai deixar vestígios e, é certo, fortalecer mais o impulso populista na Europa, Nicolas Sarkozy resumiu bem ao dizer: "Se os gregos votarem sim, Tsipras tem que ir. E se eles votarem não, tem que ir também." Martin Schulz (representando a social-democracia alemã no Parlamento Europeu) propôs uma tutela tecnocratas para substituir o governo grego. E Michel Sapin, O ministro das Finanças francês disse que se recusava a discutir com as pessoas que dizem "não".

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Julho 2015

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031


Links

Blog

  • www.metralhada.blogspot.com