Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Na nuvem do acaso

Quase nada de um pouco de tudo.



Terça-feira, 15.01.13

Os irmãos de Jesus

 
 

“A questão da existência de irmãos de Jesus é um problema para o dogma católico, não é um problema histórico.”

Consoante se adere ou não ao dogma da virgindade de Maria, assim é ou não pertinente a questão de saber se Jesus teve irmãos e irmãs. A Santa Família é um ícone caro ao catolicismo que deixou sempre de lado aquela questão, obviamente embaraçosa.

No entanto, a questão dos laços de sangue nunca colocou qualquer problema teológico aos discípulos de Jesus, aos seus sucessores ou aos primeiros cristãos e isto até meados do séc. IV quando a polémica se levantou entre os doutores da Igreja e se arrasta até aos dias de hoje.

Não são apenas os Evangelhos apócrifos que referem os irmãos e irmãs de Jesus, são também os canónicos e os Actos dos Apóstolos que o afirmam. Nestes, embora as irmãs fiquem no anonimato, os irmãos têm nome. O que é surpreendente não é o facto de Jesus ter tido irmãos, mas sim que os Evangelhos não procurem escondê-lo e que o papel desses irmãos tenha sido menor e pouco lisonjeiro: alinham, sem qualquer espírito de família, com os adversários de Jesus e, contrariamente aos discípulos, manifestam indiferença e hostilidade.

“É louco“ (Mc. III, 21), “não acreditavam nele“ (João VII, 5). A sua mãe, irmãos e irmãs declaram que perdeu o juízo e tentam prendê-lo (Marco III, 21). A concepção “miraculosa” de Jesus constituirá ao longo dos séculos uma parte essencial da doutrina oficial da Igreja católica. No concílio de Éfeso, em 431, Maria será designada como Mãe de Deus, consolidando-se progressivamente a crença de que foi preservada desde o seu nascimento do pecado original, o que acabará por ser o dogma da Imaculada Conceição proclamado apenas em meados do séc. XIX pelo papa Pio IX (Bula "Ineffabilis Deus").

Jesus não era da família de David (outra das imposições das Escrituras para o messias) e nasceu do povo, de família muito humilde e numerosa? Ou, pelo contrário, descendia de David como é referido nos evangelhos sinópticos (por ser filho de José) e no Corão (por ser filho de Maria)?    

             Igreja de Chora, Istambul.                                                     Basílica de St. Denis, Paris.                                               

        Ascendência de Jesus desde Adão                                 Ascendência de Jesus desde Jesse                                                                   

       

 

 

 

                                                    

Jesus (alteração de Yeshua e Isa em árabe) era o filho mais velho de Maria (Lucas II, 7), tinha irmãs que viviam em Nazaré (Marco VI, 3, Mateus XIII, 56) e irmãos dos quais quatro são nomeados nos Evangelho de Marcos (VI, 3) e de Mateus (XII, 55): Tiago, José, Judas e Simão. Os irmãos de Jesus são objecto de referência explícita em documentos do Novo Testamento. Para além dos Evangelhos (Marco III, 31; Mateus XII, 46, Lucas VIII, 19; João VII, 3) são referidos nas Epístolas de Paulo (Gálatas I, 19; Coríntios IX, 5): “Depois, passados três anos, fui a Jerusalém para ver a Pedro, e fiquei com ele quinze dias. E não vi a nenhum outro dos apóstolos, senão a Tiago, irmão do Senhor)” e nos Actos dos Apóstolos (I, 14).

 O Apóstolo Pedro.                          Tiago, o Justo. "Irmão do Senhor"

   

Pode imaginar-se o círculo íntimo ou próximo de Jesus (se se ultrapassar a questão de saber até que ponto e em que medida uma família judia podia, no 1º século, conhecer com precisão a sua genealogia após a destruição dos arquivos por Herodes).

O seu pai José (João I, 45; VI, 42) morreu antes que Jesus tivesse qualquer actividade pública (dos seus 28 aos seus 30 anos) e teria tido sete filhos de Maria (ou também de Escha – prima de Joâo Baptista - e de Salomé?) (Augsburg Fortress 1995 ed. “Evangelical Lutheran Church in America”; "From Jesus to Christ: Jesus' Family Tree"):

Segundo esta interpretação protestante baseada em referências do Novo Testamento e dos antigos historiadores Josephus e Eusebius (Jesus and His World de John J Rousseau e Rami Arav, Augsberg Fortress 1995), - a qual, embora interessante, deve ser encarada com reserva -, Maria e José tiveram após Jesus mais filhos e filhas nascidos, pelo menos, durante um período de 12 anos após o nascimento de Jesus: Jesus, Tiago (“o Justo", futuro bispo de Jerusalém e pilar da Igreja, segundo Paulo - Gál.II, 9), Judas e José e duas filhas Lysia e Lídia (ou Salomé e Ana?). Há outro Tiago, Tiago “o Maior” que se julga estar sepultado em Compostela.

Em conformidade com o direito judeu do “levirate“, o seu irmão mais novo Cleofas sucedeu-lhe como chefe da família casando com a sua viúva (Maria ou Salomé?) e tendo dela Simão (por esta circunstância irmão e primo de Jesus). Os filhos de José e de Cleofas exigiriam para uma cabal identificação uma referência ás mães, mas, na tradição judaica, o filho é identificado com referência ao nome do pai e nunca ao da mãe o que torna de certo modo surpreendente que Jesus fosse conhecido como “filho de Maria“ (Mc. VI, 3).

O relacionamento de Jesus com a sua mãe é, de acordo com as escrituras, de uma brutalidade que não pode deixar de espantar. Quando a ela se refere é sempre de modo negativo e hostil: “Quem são minha mãe e meus irmãos?” (Mc. III, 6). No caminho para Jerusalém, Jesus cruza-se com uma mulher que louva a sua mãe: “Bem-aventurado o ventre que te trouxe (…) mas Ele disse: antes bem-aventurados os que ouvem a palavra de Deus...” (Lc. XI, 27, 28). Quando a ela se dirige, Jesus trata-a asperamente. Nunca a chama “mãe” mas sempre “mulher“, como se tratasse de uma escrava ou de uma criada: “Mulher que tenho eu contigo?...” (João II, 3). Maria tinha, eventualmente entre outras, duas irmãs, uma também chamada Maria, mulher de Alfeu, e outra Salomé, mulher de Zebedeu (Marco XV, 40; Mateus XXVII, 56; João XIX, 25). Estas irmãs eram mães de discípulos de Jesus: Tiago “o pequeno“ e Tadeu (ou Judas) filhos de Maria; Tiago e João (o discípulo “favorito“?) filhos de Salomé. Estes primos tomaram o nome de “irmãos do Senhor“, acompanharam-no sempre e foram os seus primeiros discípulos.

O mundo de hoje e de ontem não seriam o que são e o que foram sem Jesus, o qual, no que se refere á influência de uma personalidade e doutrina, é uma figura ímpar na História da Humanidade.

A questão apresenta uma desconfortável dualidade: coloca-se simultaneamente nos terrenos da História e da Fé, o que torna particularmente delicada qualquer conclusão, ou mesmo qualquer simples comentário ou interrogação, porque quem a eles se atreve corre o risco de desagradar ao historiador ou de ofender o crente ou de merecer o desprezo de ambos.

Lembra-se, a propósito, Lucas (II, 34):

“...Ele será um sinal de contradição...”.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por alea às 10:42



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Janeiro 2013

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031


Links

Blog

  • www.metralhada.blogspot.com