Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Na nuvem do acaso

Quase nada de um pouco de tudo.



Terça-feira, 23.10.12

O Legado

 
 

                                                                                                  Sintra árabe

Castelo.jpg

Há quem entenda que somos herdeiros de um único legado, o legado judaico-cristão que marcou, ele e só ele, a nossa pátria, o nosso território, a nossa língua. No entanto, é possível conhecer com razoável certeza (que não afasta a dúvida) a natureza, a origem, o destino das coisas estudando e afastando dogmas e preconceitos.
Por vezes, o fanatismo é tanto que justificaria um abaixo-assinado que poderia englobar os seguintes quatro pontos:
1) Informação à Academia das Ciências de Lisboa que frases há que hoje apenas são figuras de estilo mas que, infelizmente, estão ligadas a uma herança que repudiamos, não por fundamentalismo judaico-cristão, mas porque a sua falsidade se revela pelo conhecimento histórico que temos da nossa pátria nos últimos 1300 anos (o que é suficiente, para não dizer muitíssimo).
Que se eliminem, desde já e, sobretudo, no ensino primário, entre outras, estas vergonhosas e totalmente inaceitáveis frases profanas:
Oxalá; Dar-se como Deus com os anjos; Deus queira; Deus é testemunha; Graças a Deus; Só Deus sabe; Se Deus quiser (*); Também ser filho de Deus; Haja Deus; Deus é grande; Nem à mão de Deus; Deus nos livre; Deus lhes perdoe; Deus o abençoe; Deus o acompanhe; Deus o oiça; Deus lhe pague; Homem de Deus; Louvado seja Deus; Meu Deus; Deus do céu; Por amor de Deus; Que Deus tenha; Sabe Deus; Santo Deus; Deus nos acuda; Valha-nos Deus; Ao deus-dará; A mão de Deus; Os desígnios de Deus; Estar-se bem com Deus; Deus o castigue; Deus lhe dê saúde.
(*) Versículos 23 e 24, capítulo 18 do Alcorão “E nunca digas de coisa alguma, sim, fá-la-ei amanhã, sem acrescentar: se Deus quiser”.

Se quase toda a Europa, de que fazemos orgulhosamente parte, passa bem sem elas porque não nós? Seremos pouco inteligentes para poder e saber usar apenas umas poucas mas pertinentes vezes a palavra “God”, como o faz esse farol da humanidade que são os E.U.A?

2) Que se comunique a uma Máxima Entidade Territorial - que não se designa explicitamente dada a actual mas confusa interpenetrabilidade de competências legislativas - (se, oficialmente há “inconseguimento” e “endoprocedimento” porque não utilizar neste intelectual contexto “interpenetrabilidade”?) que a vila de Nazaré se deve passar a denominar Belém.
Não há desculpa para ignorar a verdade histórica e insistir no erro. Para evitar qualquer confusão ou duplicação toponímica, poder-se-á, designar aquela vila por “Belém-de-Cima”, ficando a ser conhecido por “Belém-de-Baixo” a freguesia de Lisboa com aquele mesmo nome.

3) Que a Assembleia da República nomeie uma comissão para analisar os topónimos do território nacional, eliminando todos e quaisquer que tenham raiz árabe ou que resultem da associação do árabe e do latim ou que sejam de etimologia árabe. De facto, haverá alguma herança árabe em Portugal? Claro que não! Só fanáticos cegos à verdade podem crer e, mais grave, divulgar uma tal falsidade. A única e grande herança que o nosso bom povo tem, como de todos é sabido, é a judaico-cristã, Ela e só Ela.
Conscientes das graves dificuldades económicas, financeiras, sociais e políticas que a pátria atravessa e reconhecendo o trabalho ciclópico e desinteressado dos mui dignos deputados da Nação propõe-se que sejam constituídas comissões, uma por cada concelho, que se encarreguem de analisar topónimos blasfemos porque atentatórios á herança judaico-cristã e desvendar o que seriam antes da profanação.


Como exemplo avalie-se o seguinte esboço do caso de Sintra:
a) Topónimos de origem árabe (aqueles que possuem raiz árabe e que permaneceram com pequenas alterações desse radical):
Albarraque (Albarrak = "o brilhante" ou, para outros autores al-barraque, plural de al-barca = "solo duro");
Alcainça (al-kaniça = "a igreja");
Alcoruim ou Alcorvim (al-cairuáne = "o caimão");
Alfaquiques (alfaqueques, cargo muçulmano que designava o indivíduo que resgatava prisioneiros);
Alfouvar (al-fauwara = "o bolhão");
Algueirão (al-guerame = "a gruta");
Almargem (al-marge = "o prado");
Arrabalde (arabáde = "os subúrbios");
Assafora (assahra = "Campina")
Azenha (aççania, isto é, "a nora");
Azoia (az-zavia = "o mosteiro");
Cacém (cacéme = "o que divide");
Moçaravia (muçtarabe = "aquele que se tornou árabe");
Queluz ( qá-luz = "vale da amendoeira");
Mucifal ( maçfal = "o lugar que está em baixo");
Massamá (maçama = "o que está alto");
Meleças (meliça = "o vazio");
Almoçageme (al-mesjide = "a mesquita").


b) Topónimos híbridos (resultantes da associação de dois topónimos, um árabe e um latino):

Alcolombal (da junção do artigo árabe "al" com a palavra latina "columbare", que significa pombal),
Alcobela (do árabe "al- quibba" mais o sufixo "ela"),
Almoster (o artigo "al" mais o termo latino " monasterium", que significa mosteiro).


c) Topónimos arábicos modernos (de raiz desconhecida, mas facilmente identificáveis com a etimologia árabe):
Abonemar, Aljabafaria, Almornos, Almosquer, Alparrel, Alpoletim, Alvegas, Asfamil, Bogalho, Calaferrim, (o mesmo que Canaferrim, que daria mais tarde Penaferrim - S. Pedro de Penaferrim), Galamares, Mafarros (ou Nafarros), Magoito, Meleças, etc.

Para esclarecimento dos ilustres deputados e para que não fiquem com a ilusão de que esta vergonha só se passa no concelho de Sintra, podem apontar-se outros exemplos no território nacional:
Almada  do árabe Al-Ma'din, significa a mina, relacionado com a riqueza aurífera das minas da Adiça. Alcochete  deriva da expressão árabe que significa o forno, aludindo à riqueza energética derivada da combustão das madeiras abundantes nos pinhais da margem sul do Tejo. Azeitão  deriva da expressão árabe que significa azeitona, remetendo para uma intensa actividade agrícola existente na encosta norte da serra da Arrábida. Arrábida deriva da expressão árabe que significa lugar de oração Alcácer deriva da expressão árabe Al-Kasr que significa castelo ou palácio. Cacém (Santiago do) ¬ terá origem no nome do governador muçulmano Kassen que terá comandado esta praça.


Esta vergonha também ocorre a norte de Lisboa, chegando mesmo até a Trás-os-Montes (por exemplo, a vila de Alfarella de Jales) e ao Minho (por exemplo, a aldeia de Alfella).

4) Que se elabore uma petição pública para que o hebraico e o aramaico sejam consideradas segundas línguas (ex-aequo) no ensino básico e que, em opção, o inglês passe a ser terceira língua. Só através da língua se poderá assegurar que as gerações vindouras reconheçam, sem sombra de dúvida, como única herança (à exclusão de qualquer outra) a judaico-cristã. Mais nenhuma outra que o maligno não desistirá de lhes oferecer como a verdadeira.
Foi, não o esqueçamos, com o aceno da sabedoria, que Adão trincou a maçã e, suspeito, não só.

Estive a brincar…

Claustro-site.JPG

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por alea às 21:59



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Outubro 2012

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031


Links

Blog

  • www.metralhada.blogspot.com