Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Na nuvem do acaso

Quase nada de um pouco de tudo.



Segunda-feira, 26.08.13

Curvas e coisas chatas

“Ay qué trabajo me cuesta quererte como te quiero! Por tu amor me duele el aire, el corazón y el sombrero.“

F. G. Lorca.

 

Intróito: regressei de férias...na praia...exactamente, na praia. Que me desculpem qualquer coisinha no que se segue.

Lembro-me dos olhares reprovadores, dos mais cerimoniosos, e das críticas e conselhos, dos mais íntimos, quando em mim se manifestavam, com toda a clareza, os meus calmos, caseiros e (no entendimento deles) chatos gostos.

Sim é verdade, gostava e gosto de coisas que a divertida sociedade considera chatas.


Com excepção, claro, de alguns femininos atributos (o pudor e a timidez impedem-me de aqui especificar) alguns dos quais uma ânsia de ostensiva aparência quer para sempre cheios, firmes e redondos (porquê esféricos?).

A cirurgia plástica resolveu hoje o problema e é vê-las orgulhosas de inabaláveis, nutridas e estáticas plataformas, que assim ficam até com o simples andar. Fim dos doces bamboleios, indiscutíveis instrumentos da humana luxúria mas, também, insubstituíveis fontes de inspiração dos melhores e mais afoitos poetas. E o orgulho delas e a gula de alguns deles ficam por aqui, coitados.

E os olhos? Espelhos da alma e sinais mudos de desafios?

E a boca, na sua oferta, no seu sorriso, no seu amuo?

E a curva da anca? E a do busto? E a do pescoço?

E umas lindas mãos?

Tudo na mulher é melhor. Tudo menos, claro, o que não é.


(Fotos tiradas da "net" exemplificativas daquela excepção. As minhas - e fui um muito razoável fotógrafo - saíram desfocadas e, sobretudo, tremidas. Espero que tenha sido pela emoção e não pelas maleitas da idade).

Sim sim, gosto perdidamente da mulher, do seu olhar, do seu gesto, do seu sorriso, da sua curva, de tudo o que no corpo ela é. O maravilhoso corpo da mulher, a sua promessa, a sua tentadora promessa, será coisa chata?

No entanto, há coisas que ainda mais desejo, que eternamente ficam e que, essas então, não compreendo que outros possam considerar chatas. Um olhar brilhante e verdadeiro, um gesto reconfortante e solidário, um sorriso cúmplice e amoroso e, acima de tudo, a ternura, a maravilhosa, a incomparável e única ternura da mulher.

Mas não o contesto, para escândalo e escondida reprovação de todos, também gosto (olhem que maçada) de coisas que eles dizem chatas: da família, da minha casa, dos livros, da música, do trabalho, de poucos mas verdadeiros amigos (da divertida sociedade não). Meu Deus, como é que se pode ser tão chato, tão chato, meu Deus?


E por esta razão imagine-se, disseram-me, não fui convidado para uma viagem à China. Logo à China, mundo de gentes ainda imunes às distracções desta nossa triste divertida sociedade e com mulheres frágeis, graciosas e ainda donas (até quando?) de naturais e vivas formas.

Pois é, aparentemente e para minha surpresa, mesmo para os melhores amigos sou um chato, mas sinto-me bem assim. É a conclusão, definitivamente é a conclusão a que cheguei: gosto mesmo daquelas coisas que eles dizem chatas. Poderá ser triste e mesmo chato para outros, mas sinto que são óptimas para mim, para os meus e para a minha vida.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por alea às 14:06



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Agosto 2013

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031


Links

Blog

  • www.metralhada.blogspot.com