Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Na nuvem do acaso

Quase nada de um pouco de tudo.



Domingo, 27.03.16

Uma tragédia na emigração

 

acidente21350ee6.jpg

Não quero comentar em pormenor a tragédia ocorrida no passado dia 25 de Março em que morreram 12 emigrantes portugueses num desastre rodoviário em França.

Para além de não poder nem querer antecipar as conclusões da comissão de inquérito nomeada pelas autoridades francesas, o comentário teria muito de “políticamente incorrecto” e estaria ao arrepio das convicçõesde hoje de muitos dos meus concidadãos, nas quais o fado se mistura, à ignorância dos factos e ao azar.

No entanto, os órgãos de comunicação social começam a “corrigir o tiro” informando que o pequeno autocarro estava com o dobro da sua lotação, que uma imprudente ultrapassagem está ao mesmo nível de probabilidade da de uma desatenção por cansaço, que o jovem condutor de 19 anos (já constituído arguido) - com carta há apenas um ano e sem maturidade e experiência - poderia não estar habilitado para conduzir aquele tipo de veículo (o qual tinha um atrelado o que muito perturba a condução), que o veículo fazia parte de um “combóio” de mais quatro podendo ter havido imprudente pressa em os apanhar da que resultou eventualmente excesso de velocidade numa das estradas mais mortíferas de França.

Estou, no entanto, certo que houve irresponsabilidade e ilegalidade.

Uma tragédia com uma dimensão nunca atingida no passado, uma Páscoa triste para a comunidade emigrante portuguesa, para os familiares e amigos das vítimas e para todos nós.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por alea às 13:08

Terça-feira, 22.03.16

De novo a Besta

“E eu pus-me sobre a areia do mar, e vi subir do mar uma besta (...). Quem é semelhante à besta? Quem poderá batalhar contra ela? (...) e deu-se-lhe poder sobre toda a tribo, e língua, e nação.(...) Se alguém tem ouvidos, ouça.(...) Se alguém matar à espada, necessário é que à espada seja morto.(...).

Apocalipse 13:1-18.

A_besta_.jpg

Eram 8 da manhã em Bruxelas. A Besta atacou o metropolitano cheio de trabalhadores a caminho do emprego, crianças e adolescentes dirigindo-se a escolas e faculdades. Cidadãos cujo crime é o de serem apenas isso.

A Besta também atacou na mesma hora o aeroporto na zona de ”check in”, hora em que habitualmente se prepara a partida para os vôos transatlânticos.

"Não ataquem grandes edifícios como o World Trade Center, instalações militares como o Pentágono. Isso já não interessa: ataquem gente, espalhem o terror". Foi esta a orientação dada por um agente da Besta.

Hoje, é patente a impotência, a desorientação, o medo. A Besta ganhou outra batalha. Ganhará a guerra? Que fazer? Um enorme muro e transformar a Europa numa frágil fortaleza? Expulsar os migrantes suspeitos de coniventes da Besta misturando o trigo com o joio?

“Matai-os todos que depois Ele saberá distinguir os bons dos maus” foram as ordens de Simon de Beaufort na cruzada papal contra os Cátaros no sul da França na segunda década do século XIII. Matar, expulsar todos (por avião, barco ou combóio) como fizeram no passado os nazis? É claro que não como em 1220 ou em 1940 mas não esquecer o passado porque a Besta está, de facto e dizem que em resultado do “pecado original”, em maior ou menor grau dentro de nós.

Para já, avança-se com a construção de muros fronteiriços e com políticas incompetentes porque insuficientes para estancar a corrente de refugiados. A Europa não sabe ou não quer lidar com o problema. Entretanto, são milhões a migrar, milhares no caminho da fuga, centenas a morrer no Mediterrâneo, cidades demolidas, património mundial destruído, pacíficos cidadãos mortos em Londres, Paris, Madrid, Bruxelas. Será possível abraçar quem desconfiamos?

Resolver a questão da Síria? Sim, certamente mas não só. Há tantas sírias em potência! A Líbia, a Etiópia, o Afeganistão, e, e, e...

O problema é essencialmente político. As declarações de solidariedade dos dirigentes políticos são sempre as mesmas e inconsequentes. Para quando a criação de um organismo integrado de segurança europeu?

Quem compra petróleo à Besta? Quem vende explosivos e armas à Besta? Quem, quem? As organizações de segurança europeias ainda não sabem? Já era tempo. Quem organiza a Besta?

A Europol estima que haja 3.000 a 5.000 europeus com ligações ao extremismo islâmico...

Porque não há (ainda até hoje) estreita cooperação entre as agências de informação ocidentais? (só hoje tomei conhecimento da importância do papel das autoridades marroquinas no combate ao terrorismo).

numero_da_Besta_666_.jpg

 "Aquele que tem entendimento calcule o número da besta, pois é número de homem. Seu número é seiscentos e sessenta e seis”, é o que diz uma das traduções do versículo 18.

E a partir de então, os conhecedores das Escrituras passaram a associar o número "666" à Besta e a tudo o que está relacionado com o maligno, porque por hermeneutica (atribuição de um valor numérico a cada palavra) “616” (número do homem Calígula) é, segundo os especialistas, o número da Besta (e não “666”, mais fácil de reter). Porque não o número 4, número da Morte para a hermeneutica asiática?

Se alguém matar à espada, necessário é que à espada seja morto.(...).

Autoria e outros dados (tags, etc)

por alea às 16:36

Pág. 1/2



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Março 2016

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031


Links

Blog

  • www.metralhada.blogspot.com