Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Na nuvem do acaso

Quase nada de um pouco de tudo.



Quarta-feira, 30.12.15

D. Sancho II e o capelo azarento

 
 

“O Capelo” (porque o usava quando criança). Ingénuo na política, no casamento, na solidariedade fraternal. Em tudo menos na “Reconquista”.

SanchoII e D.Afonso III.jpg

Sempre tive simpatia por este rei e muito pouca pelo seu irmão Afonso (o futuro Afonso III).
É um sentimento que não é racional, mas a vida não é só feita de razão.
Um foi um valente mas fraco rei e o outro um calculista mas um muito bom rei. Um debateu-se com uma crise profunda interna (nobreza) e externa (Igreja), com a inimizade dos poderosos e o outro, rompendo com compromissos e traindo confiança e solidariedades juradas abandonou a sua primeira mulher Matilde e “roubou” o reino ao irmão (o mesmo tendo acontecido, em circunstâncias muito diferentes é certo, quatro séculos depois com Pedro II e Afonso VI).
Afonso actuou da forma necessária para obter o reino abdicando do título de conde “jure uxoris” (por direito de sua mulher) de Bolonha e divorciando-se de Matilde condessa de Bolonha.
O futuro Afonso III teve que esperar até à morte de Sancho II para se denominar rei. Até lá era “visitador”, “curador”, ” defensor” do reino.Teve que mudar de bandeira porque não podia utilizar a do seu pai Afonso II, pertença do seu irmão mais velho e casou em segundas núpcias com Beatriz de Castela (filha do rei Afonso X) e daí os castelos nas suas armas que depois perduraram nas armas de Portugal.

Bandeiras.bmp

Onde está sepultado esse nosso rei, esse rei de Portugal, neto de Leonor de Inglaterra (irmã de Ricardo “coração de leão”), bisneto de Leonor de Aquitânea e de Henrique II de Inglaterra?
Morreu exilado em Toledo, mas onde está a sua sepultura?
Que diligências fizeram os poderes portugueses desde 1248 até hoje para trazerem para a sua terra esse nosso rei? Que seja do meu conhecimento, apenas com Salazar foi enviada uma comissão científica a Toledo para averiguar sobre o paradeiro da sua sepultura. Nada foi descoberto e tudo ficou na mesma. É circunstância triste para um povo que se pode orgulhar da sua longa, muito antiga e nobre história.
D. Sancho II, quarto rei de Portugal e filho de D. Afonso II e de D. Urraca de Castela, nasceu em Coimbra em 1209 e subiu ao trono em 1233.
Nesse tempo Portugal encontrava-se em conflito diplomático com a Igreja decorrente da acção de Afonso II para reduzir o seu poder. Afonso II foi excomungado pelo papa Honório III, como, aliás, já acontecera com o seu pai D. Sancho II e aconteceria posteriormente com os seus filhos Sancho (o “hereje”) e Afonso (o futuro D. Afonso III).
D. Sancho II, cuja prioridade era a “Reconquista”, revelou ser um bravo chefe militar, conquistando várias cidades no Algarve e no Alentejo mas, pelo seu descuido nas tarefas administrativas, facilitou e criou conflitos com a nobreza (substituindo os conselheiros da corte pelos seus companheiros de armas) e, sobretudo, com a Igreja. Na sequência de uma disputa com o bispo do Porto, este queixou-se ao Papa Inocêncio IV o qual, no concílio de Lyon, excomungou e depôs Sancho II ordenando (!) aos portugueses que escolhessem um novo rei (para substituir o "hereje")
Em 1246, o irmão mais novo de Sancho, Afonso, casado com a condessa Matilde de Bolonha, foi convidado a ocupar o trono. Numa assembleia de prelados e nobres portugueses, reunida em Paris, Afonso jurou guardar todo os privilégios, nomeadamente os dos municípios, do clero e da nobreza. Abdicou do seu título e das suas terras e marchou sobre Portugal. D. Sancho II fez-lhe frente com sucesso mas a pressão da Santa Sé levou à sua abdicação em 1247 e ao seu exílio em Toledo onde morreu em 1248.
Não foi no campo militar que D. Sancho II (que chegou a pedir o auxílio do seu irmão Afonso!) foi derrotado, foi a pressão da Santa Sé ( em Lyon, em Paris) que levou Sancho II a abdicar em 1247 e a exilar-se em Toledo onde morreu em 1248.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por alea às 16:11

Terça-feira, 22.12.15

O BANIF e o governo de Pedro e Paulo.

 
 

Na edição “on line” do jornal Público de 21 de Dezembro, aparecem como subtítulos:
- “Factura do BANIF para os contribuintes pode chegar aos 3835 milhões de euros”,
- “A política tem que começar a ser diferente da vigarice”,
- “Passos Coelho tem de se explicar”.
Estes subtítulos merecem os seguintes comentários:
1 – O valor pago pelos contribuintes relativo à ajuda do Estado para o “saneamento” do sistema financeiro eleva-se à data a cerca de 14.000 milhões de euros, dos quais mais de 3.500 milhões para o BANIF. Para informação mais detalhada consultar: http://www.dn.pt/economia/interior/ajuda-aos-bancos-custou-195-mil-milhoes-a-portugal-4782803.html e http://observador.pt/2015/12/22/tribunal-contas-apoios-publicos-aos-bancos-atingiram-11-822-milhoes-ate-2014/

2 – A “era Passos/Portas” não é só uma vigarice, que a campanha do período eleitoral fez esquecer, é também um conjunto de mentiras;
3 – Passos Rabbit explicar-se-á tão bem como a brilhante ex-ministra das Finanças Maria Luís na sua entrevista televisiva de ontem: não sabe de nada e a culpa é de outos. Lembrou-me as declarações prestadas por aldrabões na Comissão Parlamentar de Inquérito ao caso BES.

Os-três-macacos-sabios.jpg

Os 3 macacos.gif

Pedro e Paulo para chegarem ao governo prometeram em 2011 que não haveria corte de pensões, corte de salários, aumento de impostos. Mentiram porque, uma vez sentados na cadeira do poder, implementaram não só o dobro das medidas de austeridade previstas no Memorando da Troika mas também legislaram o maior aumento de impostos da história recente de Portugal, como afirmou o insuspeito e respeitadíssimo ex-ministro das finanças Victor Gaspar. Mentirosos, portanto.
A vigarice não se ficou por aqui, basta lembrar o modo opaco como foram levados os processos de privatização, nomeadamente o da TAP já com o governo de Pedro e Paulo com uma acção limitada a uma gestão corrente, os ditos “cofres cheios” cujo nível hoje não se sabe qual é de facto, a aldrabice eleitoral da redução da sobretaxa do IRS e os eteceteras que o tempo revelará e que estão escondidos sob o tapete. Um dos etc de hoje (os de amanhã não se sabem) é o caso BANIF.
Passo a citar o editorial do Público: http://www.publico.pt/politica/noticia/um-monumento-a-irresponsabilidade-da-era-passos-1718124

“O estouro do Banif é um exemplar manifesto de incompetência, irresponsabilidade e dolo. Desta vez, e ao contrário do que aconteceu com o BES, não se conhecem actos de manipulação de informação relevante nem práticas de gestão suspeitas de condutas criminosas. Quando António Costa nos deu conta da resolução do Banif e da brutal factura que todos teremos de pagar, foi muito fácil constatar que este era um desastre cada vez mais evidente a cada adiamento, a cada varrer do lixo para baixo do tapete, a cada hesitação denunciadora da falta de coragem. Desde Dezembro de 2014 que se sabia que o Banif não conseguia assumir os seus compromissos com o Estado, desde sempre que se conhecia o criticismo e receio com que a Direcção-Geral de Concorrência da Comissão Europeia olhava para a forma como o Governo geria a situação. Os oito planos de reestruturação chumbados eram prova cabal de que o tempo não resolveria coisa nenhuma. Nestes três anos, Maria Luis Albuquerque, Pedro Passos Coelho e o Governador do Banco de Portugal limitaram-se porém a tergiversar, a prometer soluções que ora não avançavam por causa da saída limpa, ora ficavam congeladas por causa do calendário eleitoral. Quando Bruxelas anunciou que a brincadeira estava para acabar (este fim-de-semana), bastou uma notícia especulativa na TVI para que mil milhões de euros desaparecessem do balanço e a salvação do Banif passasse a ser feita à custa dos impostos. A aura de Pedro Passos Coelho como político responsável, que quer que “se lixem as eleições”, apagou-se nessa conta astronómica. Já se sabia que os cidadãos teriam de pagar alguma coisa, mas três mil milhões de euros é um custo demasiado alto para que a sua gestão neste caso mereça um mínimo de condescendência.” (fim de citação).
O Governo de Pedro e Paulo? Uma cambada.

Passos-Coelho-1060x594.jpg

a triade.gif

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por alea às 15:44

Pág. 1/4



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Dezembro 2015

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031


Links

Blog

  • www.metralhada.blogspot.com