Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Na nuvem do acaso

Quase nada de um pouco de tudo.



Quinta-feira, 30.05.13

Vergonhas na justiça

O caso BANIF e os crimes no BPN e na net

Na passada 3ª feira pelas 10h00, Duarte Lima saíu de casa, onde se encontrava na situação de prisão domiciliária, para o início do seu julgamento. É o caso “Homeland”.

Também recentemente, a situação do banco BANIF revelou  aos contribuintes portugueses uma situação semelhante à do BPN com os principais protagonistas numa vergonhosa “dança de cadeiras” entre o PS e o PSD. É o “arco do poder” (principalmente nas suas componentes cavaquista e jardinista) na sua esplendorosa promiscuidade.

http://www.youtube.com/watch?v=OcxS1zYWJms

http://www.youtube.com/watch?v=tUxR3LlVoXM

Em finais de 2012 o governo informou sobre a injecção de 1.100 milhões de euros no capital do banco, os quais adicionados aos 1.150 milhões de euros de garantia de empréstimos ao banco totalizam 2.250 milhões de euros. Tudo sacado do bolso do Zé Povinho.

Uma vergonha anunciada pelo mesmo governo que considera indispensável, para equilíbrio das finanças públicas, taxar as pensões e, para além de outra medidas, cortar 4.500 milhões de euros nas despesas do estado.

Este pobre país está afogado em vergonhas.

A justiça, pilar de qualquer regime que tenha como prioridade a defesa do povo e o castigo dos poderosos que não respeitam a Lei, revela impotência e parece ser atacada aqui e ali por uma “solidariedade partidária”.

Sabe-se tudo sobre o caso BPN? Talvez seja interessante recordar alguns factos.


A falência fraudulenta do BPN poderá custar ao contribuinte português cerca de 7 mil milhões de euros (um décimo do que em 2011 constituiu a ajuda financeira da “troika”).Nesta fraude é arguido o Sr. Oliveira e Costa. No entanto, o Sr. Dias Loureiro (que dizem ser uma personagem central nessa fraude http://finances.orange.fr/economie/pointdevue/scandale-bancaire-portugais-les-vacances-a-rio-de-dias-loureiro-266980.html) não o é. Por que será?

Para que fique mais claro o escândalo, o BPN tinha como principal objectivo conceder milhões de euros a amigos, familiares, clientela política e, também, aos próprios…Só Duarte Lima é suspeito, segundo se diz, de ter desviado 49 milhões de euros.

Dias Loureiro (ex-Ministro dos Assuntos Parlamentares, ex-Ministro da Administração Interna, ex-Conselheiro de Estado), Oliveira e Costa (ex-Secretário de Estado dos Assuntos Fiscais), Duarte Lima (ex-Vice Presidente da Comissão Política Nacional, ex-Presidente da Comissão Política Distrital de Lisboa, ex-Presidente do Grupo Parlamentar) foram personagens relevantes do PSD em geral e do “cavaquismo” em particular. Estes "notáveis" do regime são o exemplo escarrado dos que só na política têm um caminho seguro para um rápido e fácil enriquecimento e dela se servem para esse fim.

Os milhões de euros “desaparecidos” no BPN são irrecuperáveis pelo contribuinte, mas não por todos. Há quem, como administrador da SLN, tenha transferido muito dinheiro para familiares e sociedades “offshore”.

A ex-proprietária do BPN (a SLN) denomina-se agora “Galilei”. O Estado português estima a dívida (virtual) da nova “holding” em 1.300 milhões de euros, valor muito próximo do “buraco” que presumidamente a recente decisão do Tribunal Constitucional “introduziu” no Orçamento para 2013. 

O presidente da nova “holding” (completamente falida após a nacionalização do BPN) é o Sr. Fernando Lima, grão-mestre do Grande Oriente Lusitano, que definiu três grandes áreas de negócios: saúde, imobiliário e mercado automóvel. Mas é com negócios em Angola e a sua sede no “offshore” da Madeira (e, portanto, isenta de IRC) que a Galilei aposta no seu sucesso, mau grado o processo movido pelo Banco de Portugal por omissão e apresentação de dados bancários enganosos (multa de 4 milhões de euros).

O “caso BPN” é a maior fraude dos 39 anos da República portuguesa.

A acção judicial, iniciada no mês de Fevereiro passado, tem mais de 100 volumes, arrola 160 testemunhas e decorre no Tribunal de Santarém duas vezes por semana. O principal “alvo” da justiça é o Sr. Oliveira e Costa, o qual está a ser julgado há mais de dois anos no Campus da Justiça em Lisboa, por burla qualificada, fraude fiscal e branqueamento de capitais. 


O sistema judicial português tem-se mostrado impotente para julgar e punir rapidamente estes indivíduos que continuam a usufruir, com total impunidade, de riqueza ilicitamente adquirida.

Mas, depois de anos e anos de batalha, eis que surgem os primeiros resultados. Disseram-me que prenderam um rapaz de 17 anos que fez na "net" um download de música... grande malandro. O primeiro português condenado por pirataria na Internet poderá passar entre 60 a 90 dias atrás das grades.

Justiça rápida, punição exemplar! É assim mesmo...

Os submarinos voltaram à superfície. Acusações gravíssimas de recebimento de luvas (corrupção passiva) foram publicadas na imprensa. Nada se passou ao nível do Governo, da Assembleia de República, das autoridades competentes. Total silêncio, nenhuma acção contra eventuais caluniadores. Na Alemanha efectuou-se inquérito de que resultou prova de corrupção activa e correspondente punição dos agentes das empresas vendedoras. Na Grécia, o ministro da defesa da altura encontra-se preso por corrupção. Cá? Nada. Continuamos numa situação "gelatinosa".

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por alea às 13:08

Quinta-feira, 23.05.13

Zé no País das Marabilhas

“...A única forma de chegar ao impossível é acreditar no impossível...”,  “Quanto tempo dura o eterno? Às vezes apenas um segundo”.

Alice no País das Maravilhas – Lewis Carroll.

 

Personagens:

o Zé. Vigoroso, franco e directo com todos os que encontra.

o Coelho. Pomposo, autoritário para com os criados, bajulador e obsequioso para com os superiores.

o Gato Gaspar. Invulgarmente calmo, tem uma exacta ordem das coisas muito própria e um sorriso crispante.

a Duquesa Ângela. É o que é: é quem manda no Coelho.

O Chapeleiro Silva. É o que cobre com o seu chapéu o Coelho, o Gato Gaspar e os outros loucos.

Cenário:

Junto a um buraco num canteiro à beira-mar plantado estão o Zé, o Coelho, o Gato Gaspar, a Duquesa Ângela, o Chapeleiro Silva e outros loucos.

 

“É buraco a seguir a buraco! Quando é que tapam este buraco?” pergunta o Zé.

“Não vale a pena tentar, não se pode acreditar em coisas impossíveis”.

“Tens pouca experiência, Coelho. Quando tinha a tua idade, tentava-o uma vez por dia. Por vezes, acreditava seis coisas impossíveis antes do pequeno-almoço” respondeu a Duquesa.

“Mas onde está a saída, Gaspar?”

“Depende”.

“De quê?”.

“Depende para onde se quer ir e se não se sabe para onde se vai não interessa o que caminho que se toma”.

“Mas eu não quero encontrar-me com gente louca!”.

“Não podes evitá-lo, aqui todos nós somos loucos. Eu sou louco, tu és louco”.

“Como é que sabes se sou louco?”.

“Deves ser ou não estarias aqui. Poucos encontram o caminho, apenas alguns o reconhecem quando o encontram e então nunca o desejam. Alguns vão por este caminho, outros pelo outro. Eu prefiro o atalho”.

                                      

 “E tu, como é que te chamas?”.

“Zé”.

“O Zé?!”.

“Sim, mas há alguma dúvida sobre isso, Gato Gaspar?”.

“Nunca me envolvo em política. Estás a gostar do jogo?”.

“Acho que estão a fazer batota”.

“Ninguém faz batota se pensar que se pode safar” esclarece o Chapeleiro Silva.

“?”

“As explicações levam um tempo medonho. A melhor maneira de explicar é fazer sem explicar. Quando tiveres dúvidas não fales. A exacta ordem das coisas é, para mim, frequentemente um mistério e para os outros fá-los reflectir porque é que continuo a sorrir” exclama o Gato Gaspar.

                                                  

“Para de grunhir, não é de modo nenhum uma maneira de te exprimires. Meu caro Coelho, estás a pensar nalguma coisa e por isso esqueceste-te de falar”.

“Duquesa, acha que pode encontrar uma solução para isto?”.

“Exactamente”.

“Então deveria dizer o que pensa!”. (“Como estas criaturas dão ordens e obrigam a recitar lições. Nunca confiei em cogumelos venenosos mas alguns devem ter as suas qualidades”).

“Tut, tut, miúdo. Tudo tem uma moral desde que a encontres. Eu cá dou-me muitos bons conselhos mas raramente os sigo. (“Gostaria tanto que as criaturas não se ofendessem tão facilmente, mas com o tempo habituamo-nos”).

                                      

“Conselhos? Estou farto de os dar. Consultem a minha página no Facebook. Depois não digam que não avisei”, intervém o Chapeleiro Silva. “Por mim, não posso ir mais abaixo. Estou no chão com o que gasto e com o que ganho. Tal como ela. Vamos a Fátima”.

“Que ninguém se mexa: o meu cérebro caíu!”. Que S. Jorge nos acuda.

                                                 

“Sai do pé dos meus ovos, dos meus direitos, das minhas poupanças sua cobra!”.

 “Mas ó Zé eu não sou nenhuma cobra, sou um coelho!”.

“Comes ovos, Coelho?”.

“H...mm, sim.”.

“Então não me interessa se és cobra ou se és coelho, sai do pé dos meus ovos, dos meus direitos, das minhas poupanças! Vou avisar-te, Coelho, com toda a franqueza: ou tu ou a tua cabeça têm que ser cortados e isto em metade de nenhum tempo. Escolhe.”

 

“Ó meu deus, ó meu deus, estou atrasadíssimo para um muito importante e novo encontro com a Duquesa...Não tenho tempo para dizer olá, adeus!...É tarde, é tarde, é tarde...Na realidade não estou de facto atrasado e não tenho qualquer encontro...sou uma fraude...”.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por alea às 15:57

Pág. 1/2



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Maio 2013

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031


Links

Blog

  • www.metralhada.blogspot.com